Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
18/04/2012 - 07h19

Divórcio faz crescer risco de infarto

Publicidade

ALEXANDRE POLLARA DOS SANTOS
DANILO JANÚNCIO
DO BANCO DE DADOS

Folha, 18.abr.1992 - Estudo publicado no "British Medical Journal", na Inglaterra, mostra que casais separados têm mais risco de morte prematura, independentemente do sexo ou da idade.

Entre as causas para o aumento da mortalidade e do aparecimento de doenças entre divorciados estão o estresse, a sensação de perda, o aumento da suscebilidade individual a doenças e os exageros no fumo e na bebida.

De autoria do professor de psiquiatria Andrew Sims, o artigo utiliza como base dados de órgão estatístico do governo britânico e cita trabalhos que foram publicados no "American Journal of Epidemiology".

Para homens que enfrentam separação entre os 35 e os 45 anos, a chance de morte súbita é duplicada. De acordo com Sims, o risco de ataque cardíaco é 26,7% maior entre homens divorciados do que entre os casados. No caso das mulheres, o risco é ainda maior: 37,4%.

Em relação a doenças orgânicas, os números assustam. A probabilidade de um divorciado contrair infecção (geralmente a tuberculose) é cinco vezes maior, em comparação com os bem casados. Há ainda 50% a mais de chance de um divorciado adquirir algum tipo de câncer ou 70% a mais de risco de sofrer derrame cerebral.

Entre os efeitos psiquiátricos, as desordens afetivas, a ansiedade e o alcoolismo têm uma incidência 38 vezes maior entre os separados.

Todos os dados foram compilados e enviados ao governo britânico, relutante em aceitar a ação de fatores sociais na saúde dos indivíduos.

A intenção é que o governo leve em consideração a influência do divórcio sobre a integridade física e mental do casal. O autor do artigo defende a criação de um departamento de "política familiar" ligado ao Ministério da Saúde britânico.

*

COTIDIANO

A Polícia Militar fez ontem uma operação contra o uso irregular de jet skis nas praias da Baixada Santista.

Menores de 16 anos que estivam pilotando sem colete salva-vidas, a menos de 200 metros da arrebentação, ou sem carta náutica expedida pela Capitania dos Portos foram autuados.

As locadoras de jet skis tiveram prejuízo, porque muitas pessoas, com a ameaça de blitz, resolveram não se arriscar sem documentação.

A falta de boias nos corredores de entrada de jet ski causou discussão entre usuários e a Associação de Praticantes de Esportes Náuticos, do Guarujá (SP).

Segundo banhistas, quem sustenta a associação são as locadoras, que não queriam armar as boias porque estão praticamente proibidas de alugar seus aparelhos, já que a maioria dos interessados em usá-los não tem habilitação em motonáutica.

Luiz Carlos Murauskas-17.abr.1992/Folhapress
Carlos Alberto Doni, 27, que foi imepdido de usar jet ski pelos guarda-vidas devido à falta de habilitação própria, em Guarujá (SP)
Carlos Alberto Doni (camisa verde), 27, que foi impedido de usar jet ski por não ter habilitação, no Guarujá (SP)

*

MUNDO

A menos que sejam tomadas medidas urgentes, 15 dos 50 idiomas da Europa deverão desaparecer dentro de poucas gerações.

A afirmação é do especialista em línguas Svetoslav Kolev. Ele teme que, com a morte dessas línguas, os grupos étnicos minoritários que ainda as falam possam passar para a lista das civilizações extintas da Europa dentro de um século.

Entre os idiomas ameçados estão aromúnico, corso, galego, ocitano, provençal, ladino, friuliano e sardo.

A maioria das línguas ameaçadas na Europa é neolatina. O aromúnico, ou macedo-romeno, é falado no norte da Grécia. Já o ladino é a língua dos judeus expulsos da Espanha em 1492 e sobrevive na Grécia e em Israel. As línguas corsa e sarda são faladas na Córsega e na Sardenha, respectivamente.

Especialistas já perceberam, no entanto, a importância da preservação das línguas das minorias. Para eles, os idiomas devem ter continuidade e vão receber benefícios culturais, como o catalão, o galego e o basco, línguas que recentemente atingiram novo status devido a programas especiais de educação.

*

BRASIL

O ministro da Economia, Marcílio Marques Moreira, defendeu a importância do desenvolvimento e da proteção do meio ambiente durante encontro sobre o tema realizado no Japão.

Marcílio Marques deixa o país com a perspectiva de dois empréstimos no Eximbank. Um dos empréstimos ao BNDES é de US$ 300 milhões, sendo US$ 250 milhões para uma linha de crédito para modernização industrial e os outros US$ 50 milhões para despoluição industrial.

No evento, o ministro disse que viu aprovada sua tese de que o "desenvolvimento é tão importante quanto a proteção do meio ambiente".

Segundo ele, foi discutido ainda a democratização nas decisões do Fundo Global de Meio Ambiente, do Banco Mundial.

*

RELIGIÃO

Fernando Gabeira-17.abr.1992/Folhapress
Edir Macedo, bispo da Igreja Universal do Reino de Deus, em pregação no estádio do Maracanã, no Rio
Edir Macedo, bispo da Igreja Universal do Reino de Deus, em pregação no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro

O bispo Edir Macedo, da Igreja Universal do Reino de Deus, reuniu cerca de 320 mil pessoas em dois eventos realizados na Sexta-Feira Santa, data tradicional para os católicos.

As cerimônias aconteceram no estádio do Maracanã, no Rio, e no Morumbi, em São Paulo. Durante o evento paulistano, Edir Macedo desafiou Deus a mostrar sua presença e prometeu aos fiéis a cura da Aids, exortando a multidão a pedir a Deus que lhes penetrasse o sangue e arrancasse "o diabo, o câncer".

A multidão presente nas duas cerimônias parece confirmar a tendência de crescimento do número de protestantes e pentecostais. De acordo com o IBGE, os católicos eram 98, 9% da população em 1890 e, em 1980, o número caiu para 89,1%. Em contrapartida, protestantes e pentecostais representavam 1% da população em 1890 e 6,6% em 1980.

*

FRASE

"Se eu fosse um mau-caráter, teria entrado para a política"

EDIR MACEDO,
bispo da Igreja Universal do Reino de Deus

*

Leia mais no Acervo Folha

VOCÊ SABIA?

Em 1992, cinco meses após liberação do uso de gás natural como combustível, a cidade de São Paulo já possuía 400 táxis movidos a gás, de uma frota de 35 mil veículos.

O governo federal autorizou em novembro de 1991 o uso deste combustível apenas para táxis, carros de empresas, utilitários e ônibus. Cerca de cinco a seis veículos faziam a conversão por dia.

Além de poluirem menos que os outros combustíveis, sua grande vantagem para os motoristas de táxi é o preço. Um quilômetro rodado com gás sai por Cr$ 62,00, contra Cr$ 180,00 com gasolina.

Comentar esta reportagem

Termos e condições

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página