Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
15/06/2012 - 19h27

Rio/Clima deve propor subsídio a biocombustível

Publicidade

SABINE RIGHETTI
ENVIADA ESPECIAL AO RIO

O subsídio aos biocombustíveis será uma das principais propostas defendidas no domingo, 17, pelo Marco Inicial do Rio/Clima (Rio Climate Challenge), um dos eventos paralelos da Rio+20 que está discutindo formas de reduzir a emissão de gases de efeito estufa.

Leia mais no Especial Rio+20
Folha lança aplicativo sobre a Rio+20 para smartphone
Conte à Folha como sua vida é 'sustentável'
Greenpeace quer recolher 1,4 mi de assinaturas
Empresários discutem conciliar produção e ambiente
Plano da Petrobras aumenta investimento em energia suja

De acordo com o deputado Alfredo Sirkis (PV-RJ), presidente da Subcomissão Rio+20 na Câmara dos Deputados que é organizadora do Rio/Clima, o Brasil deve explorar o mercado de biocombustíveis por ter vantagens com o etanol da cana.

"O etanol da cana é [quatro vezes] mais produtivo que o do milho [dos EUA]. E, no caso do Brasil, o etanol não compete com a produção de alimentos como acontece nos EUA", disse Sirkis à Folha.

O problema é que a redução dos impostos da gasolina faz com que o etanol saia muito caro para o bolso do consumidor.

"O governo subsidia burramente a indústria automobilística sem demandar dela nada nenhuma tecnologia. Poderíamos exigir que a indústria desenvolvesse um carro híbrido movido a eletricidade e etanol."

De acordo com Sirkis, os sistemas de subsídios têm de ser trazidos a favor de uma economia de baixo carbono, "e não contra".

Além dos subsídios aos biocombustíveis, o documento final do Rio/Clima deve trazer também propostas de mitigação (redução de danos) de emissões de gases de efeito estufa.

Essas ideias estão sendo trabalhadas desde a última quarta-feira, 13, entre representantes não oficiais de 14 países considerados grandes emissores de gases poluentes como Brasil, Índia e EUA.

O lançamento do Marco Inicial do Rio/Clima será no Forte de Copacabana, no domingo, dia 17 -dois dias depois de a Petrobras ter anunciado que reduzirá seus investimentos em biocombustíveis.

"Essa orquestra está completamente desafinada", disse Sirkis sobre a proposta da Petrobras.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página