Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
15/06/2012 - 21h09

Ministra critica conservadorismo do Congresso e alfineta Marina Silva

Publicidade

DENISE MENCHEN
DO RIO

A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, criticou nesta sexta-feira o que classificou como "conservadorismo" do Congresso Nacional. Ela também alfinetou a ex-ministra Marina Silva, que tem tecido críticas à política ambiental do governo.

Leia mais no Especial Rio+20
Folha lança aplicativo sobre a Rio+20 para smartphone
Conte à Folha como sua vida é 'sustentável'
Greenpeace quer recolher 1,4 mi de assinaturas
Empresários discutem conciliar produção e ambiente
Plano da Petrobras aumenta investimento em energia suja

As declarações foram dadas durante encontro do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas, no Solar da Imperatriz, zona sul do Rio. Após ouvir especialistas reclamarem do Código Florestal aprovado pela Câmara dos Deputados, depois vetado parcialmente pela presidente Dilma Rousseff, a ministra disse que isso é fruto da democracia.

"Elejam os ambientalistas e nós talvez teremos um mundo um pouco mais sustentável. Elejam os mais conservadores e nós teremos isso que estamos vivendo hoje, uma predominância de uma visão muito mais conservadora em relação às questões de fronteira que foram rompidas há 20 anos", disse Teixeira.

Para a ministra, há no mundo "uma onda conservadora absurdamente expressiva", que ela atribuiu à ausência de líderes políticos. Ela também disse que, no caso do Brasil, "a sociedade está avançando mais largamente do que as instituições políticas estão preparadas para lidar".

Ainda referindo-se ao Código Florestal, a ministra afirmou que a sociedade "apontava para um lado, e o Congresso insistiu em ir para outro".

"A grande verdade é que, em algum momento, as forças conservadoras cresceram e estão postas aí para crescer em outros assuntos. Nós estamos segurando porque a sociedade está sinalizando que tem que segurar", disse.

No discurso, Teixeira também afirmou que, ao assumir o cargo, encontrou "trabalho para burro que estava incompleto". Ela também criticou a estrutura do ministério.

"Eu respeito o legado completamente, mas eu não posso ter no Ministério do Meio Ambiente cinco áreas que falam de florestas", disse, sem citar que áreas são essas.

Questionada pela reportagem se as declarações eram um recado para a ex-ministra Marina Silva, que tem criticado publicamente o governo por "retrocessos" na área ambiental, Teixeira negou, mas acabou dando uma alfinetada na antecessora. "Ela pode fazer as críticas. Eu não faço críticas; eu trabalho", respondeu.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página