Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
11/12/2010 - 11h03

Ministra brasileira do Meio Ambiente dá nota 7,5 ao acordo de Cancún

DA BBC BRASIL

A pedido da BBC Brasil, a ministra brasileira do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, avaliou com nota 7,5 o acordo fechado ao fim da reunião das Nações Unidas sobre o clima, em Cancún, neste sábado.

"Tem coisas até que surpreenderam. A questão do fundo verde, do Redd", disse a ministra. Ela acrescentou que 2011 será um "ano de muito trabalho" para que Durban, cidade na África do Sul onde acontece a próxima cúpula climática, possa ser um sucesso.

No entanto, para muitos analistas, os avanços foram apenas modestos, mesmo tendo ficado acima das expectativas sobre o encontro.

Ao lançar as fundações para um futuro tratado internacional de combate às mudanças climáticas, os acordos de Cancún ficaram acima das expectativas sobre o encontro mexicano.

"Ainda não chegamos lá. Em Durban, precisamos de um acordo global que ajude os países a construir uma economia verde e que responsabilize poluidores", afirmou o diretor de política climática do WWF, Wendel Trio.

ADIAMENTEO DAS DECISÕES

No que diz respeito a ações de adaptação à mudança do clima, assuntos difíceis, como a lista de países mais vulneráveis e mecanismos para indenizar países que sofram perdas permanentes ou danos, também ficaram para o ano que vem.

Para Poul Erik Lauridsen, coordenador de política de mudança climática da organização não-governamental Care, é necessário adotar cautela diante do progresso de Cancún, já que "questões difíceis de mitigação e finanças continuam sem solução".

Um dos assuntos mais importantes para o Brasil, o mecanismo de proteção de florestas Redd (redução de emissões por desmatamento e degradação) também não escapou de críticas.

Para a ONG Amigos da Terra, o sistema de Redd precisa ser financiado por verbas públicas. No entanto, o acordo de Cancún também deixou essa decisão para o ano que vem.

"Mecanismos para acabar com o desmatamento não devem permitir que países ricos continuem a emitir carbono. Florestas não são estoques de carbono e não devem ser comercializadas", afirmou a ambientalista Lúcia Ortiz.

O resultado de Cancún foi considerado "modesto" pelo grupo ambientalista americano Environmental Defense Fund.

O grupo destacou a aprovação do sistema de proteção de florestas, mas disse que como um todo, o resultado representa apenas "uma fração do que é necessário".

+ Livraria

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página