Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
19/11/2012 - 05h30

Planeta 'perdido' mais próximo da Terra é detectado

Publicidade

SALVADOR NOGUEIRA
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

Astrônomos acabam de identificar o que parece ser um planeta errante vagando pelo espaço, sem orbitar ao redor de nenhuma estrela.

Não é o primeiro objeto do tipo a ser identificado, mas certamente é o mais próximo. Designado CFBDSIR2149, ele tem 4,7 vezes a massa de Júpiter e está a cerca de 100 anos-luz da Terra (cerca de 950 trilhões de quilômetros).

E, nesse caso, proximidade é muito importante. Sem luz própria, esses astros só irradiam calor (infravermelho). Quanto mais distantes, mais difíceis de observar.

Outra vantagem é que ele está vagando pelo espaço junto com um agrupamento de estrelas chamado associação estelar AB Doradus.

Caso o planeta errante pertença também ao grupo desde o início (há uma chance de ele ter sido "capturado" gravitacionalmente mais tarde, mas é bem pequena), é possível especular com mais segurança sobre suas propriedades (sendo possível, por exemplo, determinar sua idade e confirmar que se trata mesmo de um objeto planetário).

PRIMEIRO DE VÁRIOS

Os astrônomos esperam que o estudo aprofundado do CFBDSIR2149, inicialmente investigado com observações do VLT (Very Large Telescope), do ESO (Observatório Europeu do Sul), no Chile, permita a compreensão de toda uma classe de astros semelhantes, até hoje pouquíssimo estudada.

"Esse objeto poderá ser usado como base de dados para compreender a física de qualquer exoplaneta semelhante que seja descoberto com futuros sistemas especiais de imagens de elevado contraste", diz Philippe Delorme, do Instituto de Planetologia e Astrofísica de Grenoble, na França, o autor principal do estudo.

O trabalho ajudará a compreender como planetas podem ser ejetados de seus sistemas para se tornarem objetos errantes, sem estrela mãe, ou até mudar o paradigma do que entendemos por formação planetária, caso fique claro que ele não foi ejetado de lugar algum e se trata de um objeto planetário, e não uma anã marrom, tipo de estrela que não conseguiu se formar.

O trabalho foi publicado na última edição do periódico "Astronomy & Astrophysics".

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

TV LED TV LED HDMI, Full HD a partir de R$ 899,90

Geladeira Geladeira Side By Side, Duplex, Frost Free a partir de R$ 849,00

Home Theater | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página