Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
29/12/2010 - 11h03

Responsável pelas infecções, estafilococo prefere sangue humano ao de animais

Publicidade

GINA KOLATA
DO "THE NEW YORK TIMES"

Cientistas finalmente encontraram uma resposta para um dos grandes mistérios sobre uma das mais mortais bactérias, o Staphylococcus aureus. Ela ataca principalmente humanos, e não animais, e responde pela morte de cem mil norte-americanos anulamente.

Pesquisadores da Universidade Vanderbilt (em Tenessee, nos EUA) relatam que o estafilococo evoluiu para se focar em áreas específicas da hemoglobina humana, de forma a estourar a molécula e se alimentar do ferro em seu interior. As pessoas resistentes ao estafilococo, suspeitam, podem ter leves variações genéticas que ajustam as regiões da hemoglobina procurada pela bactéria, tornando-as impenetráveis ao ataque.

O estudo é parte de uma visão mais geral sobre genes e doenças. Com novas ferramentas para examinar em detalhes as leves variações genéticas, pesquisadores estão se perguntando por que algumas pessoas contraem certas doenças e outras não, e por que algumas morrem de doenças que outros simplesmente ignoram. Com o estafilococo, por exemplo, 30% da população carrega a bactéria em seus narizes, sem mostrar sinais de infecção.

Especialistas em estafilococos dizem que a descoberta, publicada na edição de 16 de dezembro da "Cell Host & Microbe", responde a muitas perguntas sobre a bactéria e indica novas direções para pesquisas. "É um trabalho impressionante", diz Frank DeLeo, chefe de patogênese bacteriana humana no Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas. "Isso está movendo toda a área para frente."

O trabalho começou em 2002, quando Eric P. Skaar era estudante de pós-doutorado e fascinado pelo estafilococo. "Essa bactéria é a pior ameaça à saúde pública", afirma ele. "Ela é a principal causa de infecções cardíacas e de pele, a principal causa de infecções em tecidos moles. É uma grande causa da pneumonia. É a causa número um das infecções hospitalares."

A bactéria pode estabelecer residência em qualquer tecido do corpo. Porém, como todos os organismos, precisa de ferro, e Skaar imaginava como ela o obtinha. A resposta, descobriu, é que a bactéria "estoura glóbulos vermelhos e agarra o ferro". Mais recentemente, como professor-associado na Vanderbilt, Skaar fez uma pergunta que ninguém jamais havia pensado em fazer: "Será que a bactéria gosta de algumas hemoglobinas mais do que outras?"

Ele criou estafilococos em laboratórios, dando-lhes sangue de diferentes animais --de camundongos a babuínos a seres humanos. Eles definitivamente preferiam sangue humano, relatou Skaar no novo artigo, mas havia também uma clara tendência: quanto mais alto o animal estava na escala evolutiva, mais a bactéria gostava de seu sangue.

Skaar e seus colegas encontraram a proteína do estafilococo que se prende à hemoglobina e descobriram que ela se agarra a segmentos da proteína sanguínea que existem especificamente em humanos. Ela pode se prender a segmentos similares em hemoglobinas animais, mas com menos avidez.

CAMUNDONGOS

Finalmente, os pesquisadores infectaram dois grupos de camundongos. Um continha espécies comuns de laboratório, com hemoglobina normal. O outro possuía hemoglobina metade humana e metade camundongo. O resultado é que a classe com hemoglobina de humanos e camundongos teve dez vezes mais bactérias crescendo em seus órgãos.

Isso explica por que é tão frustrante estudar infecções por estafilococos em cobaias, disse Mark S. Smeltzer, da Universidade do Arkansas. Pesquisadores usam os roedores, que são baratos e prontamente disponíveis, para desenvolver tratamentos e vacinas contra a bactéria, mas sempre foi muito difícil infectá-los --os cientistas precisam injetar neles uma quantidade tão grande de bactéria que, segundo Smeltzer, "tudo acaba ficando irreal".

A quantidade era imensamente maior do que o necessário para muitas, se não a maioria, das infecções em humanos, explica ele. O novo estudo sugere, porém, uma maneira de contornar o problema: usar cobaias com hemoglobina humana.

Para Skaar, o resultado também indica uma resposta a uma das questões mais prementes sobre infecções por estafilococos em humanos: por que um terço da população tem a bactéria no nariz e não fica doente, enquanto para os outros, uma infecção por estafilococo pode ser fatal?

"Na minha opinião, essa é a pergunta mais importante sobre a bactéria atualmente", diz Skaar. Seu trabalho, segundo ele, indica a existência de fatores genéticos que determinam a suscetibilidade a infecções entre espécies. Existiriam também fatores genéticos que determinam a suscetibilidade dentro de uma espécie, a espécie humana?

O cientista está tentando descobrir: existem pequenas diferenças genéticas bem caracterizadas em hemoglobinas em meio a diferentes pessoas, e o Centro de Medicina Vanderbilt possui um banco de genes com o DNA de milhares de seus pacientes. Skaar está usando esse banco para examinar os genes da hemoglobina de todos os pacientes que tiveram infecções por estafilococos, e compará-los às sequências de genes de pacientes que não foram infectados.

Ele espera que, caso haja variações entre hemoglobinas humanas que determinem a suscetibilidade à bactéria, ele provavelmente as encontrará. Sua esperança, disse ele, é que no futuro um paciente entre num hospital e, como parte de um pré-atendimento de rotina, os médicos determinem, pela hemoglobina da pessoa, se devem se preocupar com o estafilococo ou não. Aqueles que fossem suscetíveis receberiam antibióticos intravenosos antes de procedimentos de risco, como cirurgias. "Essa é a possibilidade mais instigante", afirmou Skaar. "Simplesmente saber que você é mais suscetível seria de grande valor."

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Geladeiras Geladeiras Frost Free, Duplex, a partir de R$ 862,20

Notebook Notebook Trabalhe, estude, jogue, a partir de R$ 769,00

Celulares | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página