Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 

antonio prata

 

19/09/2012 - 03h00

Eu não nasci de óculos

Estilo não é um troço que você escolha da noite pro dia. Não há um momento X no despertar da mocidade em que seus pais lhe convoquem, acompanhados pelo rabino, o padre ou o pastor, mais um colegiado de anciãos, e perguntem: "Então, cria minha, chegou a hora: serás punk? Yuppie? Almofadinha? Pit boy? Mano? Intelectual com a barba por fazer? Ou crente de terninho bege?"

Estilo é o resultado de milhares de microdecisões tomadas (ou não tomadas) ao longo de muitos anos, escolhas que vão aos poucos definindo desde a postura dos nossos ombros até a cor das nossas meias. Por isso, como descobri na semana passada, após duas horas penando numa ótica, é tão difícil comprar uma armação de óculos: pois ali você tem que decidir, no ato -ou ao menos, vá lá, revelar a si mesmo-, quem você é.

Comecei pelos mais discretos. Armações finas, prateadas ou pretas, com fio de nylon na parte de baixo das lentes. Pareciam ok. Afinal, eu não queria uns óculos com proposta, queria? Não. Não queria óculos que fizessem com que, digamos, um frentista perguntasse pro outro "de quem é o troco, Lima?", e ouvisse como resposta, "do artista, ali", ou "do John Lennon, ali", ou "do cara que pegou os óculos do avô, ali". Realmente, os mais discretos me caíam bem. No entanto, pareciam tão sem graça...

Por curiosidade, experimentei um daqueles oclões de acetato preto. Gostei do que vi, mas, ao mesmo tempo, me senti uma fraude. Aquelas armações vendiam um homem mais moderno do que eu. Mais antenado. Imaginei-me indo à padaria, uma equipe de TV me aborda: "O que você achou do último filme do Sokurov?". Sokurov? Não, amigo, eu só tava indo comprar pão.

Do acetato preto, migrei para a armação de tartaruga: uma proposta vistosa, também, embora um tantinho mais conservadora. Novamente, me senti em dívida. Óculos de tartaruga são para quem já leu pelo menos metade da obra de Proust, para quem tem a Cultura na memória 1 do rádio do carro. Se estivesse com uns óculos daqueles e tocasse Red Hot Chilli Peppers, eu teria que fechar os vidros. Não, não.

O problema, descobri então, perdido entre plásticos vermelhos e arames beges, é que duas forças lutavam por minha hegemonia: de um lado, queria óculos que não dissessem nada sobre mim, que fossem simples como um copo-d'água. De outro, queria, sim, colocar um gelo e limão em meu aspecto. Por que não?

Eu venho de um nicho, de um grupo, como qualquer pessoa. Qual o problema de afirmar, nas curvas, na espessura, na cor e no material dos meus óculos, a visão de mundo que eu, consciente ou inconscientemente, endosso? Sei lá, mas depois de duas horas olhando-me no espelho, acabei ficando com uma das primeiras armações, finas e discretas.

O que não deixa de ser, também, uma declaração de princípios. "De quem é o troco?", pergunta o frentista. "Daquele cara ali que, por covardia, por timidez, por orgulho, até, quem sabe, não quer dizer nada com seus óculos." "Boa observação, Lima. Cê devia largar o posto e fazer uma pós em semiótica, sabia?" "Tô ligado. Aqui o troco, chefia. Quer que dê uma olhada no óleo?"

antonioprata.folha@uol.com.br
@antonioprata

antonio prata

Antonio Prata é escritor. Publicou livros de contos e crônicas, entre eles 'Meio Intelectual, Meio de Esquerda' (editora 34). Escreve aos domingos.

 

As Últimas que Você não Leu

  1.  

Publicidade

Livraria da Folha

O Que O Brasil Quer Ser Quando Crescer?

O Que O Brasil Quer Ser Quando Crescer?

A. G. Roemmers, Gustavo Ioschpe

Comprar
Meus Tiranos Favoritos

Meus Tiranos Favoritos

Bob Lutz

Comprar
Cegueira Moral

Cegueira Moral

Zygmunt Bauman

Comprar
Mandela

Mandela

Christo Brand, Barbara Jones

Comprar
Pavões Misteriosos

Pavões Misteriosos

André Barcinski

Comprar

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

TV LED TV LED Smart, HDMI, Full HD a partir de R$ 899,90

Geladeira Geladeira Side By Side, Duplex, Frost Free a partir de R$ 849,00

Home Theater | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página