Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 

clóvis rossi

 

17/08/2011 - 11h12

Irã, onde a mulher perde seu corpo

DE SÃO PAULO

Empresto a "Janela" de hoje a uma grande amiga que está morando e trabalhando em Teerã. Claro que preservo o nome para evitar que tenha problemas, mais problemas do que os que ela descreve abaixo.

Pedi a ela que me contasse como é, para um mulher, viver no Irã, país que, como você sabe, é regido por uma teocracia.

Sua descrição vale mais que muita filosofada a respeito.

Começa dizendo que "Teerã é uma cidade normal, poderia dizer qualquer um que, sem muito se ater a detalhes, passasse por aqui. Em pleno verão de 40 graus, já não parece tão normal assim. Mulheres cobertas do pés à cabeça circulando como se estivessem no conforto do ar condicionado. Sabia que chegaria aqui no auge do verão, mas entre IMAGINAR usar o véu e roupas inapropiadas para o calor infernal e realmente TER QUE USAR são coisas bem diferentes.

Constrangimento não é bem a palavra que descreve o que sinto. Acho que é mais estranhamento e limitação. É interessante observar as mulheres na rua aqui: dominam a técnica de colocar o véu de uma forma que não atrapalha os movimentos e não ficam, como eu até agora, puxando e se ajeitando, como se a roupa estivesse fora do lugar ou até incomodasse.

A sensação é mais ou menos a de ter um corpo estranho, algo que não te pertence. E, ainda por cima, ter que lembrar a toda hora que mesmo para uma fugida na esquina para comprar pão, você terá que se fantasiar. Isso me inibe um pouco, me deixa com uma certa preguiça de sair, pelo menos por enquanto. Acho que quando refrescar um pouco e meu corpo estranho estiver pertencendo mais a mim, ficarei mais tranquila e circularei mais".

Depois, o depoimento começa a olhar para a frente: "Aos poucos vou ter que comprar algumas roupas para não ter que carregar roupa normal, de trabalho, moda Ocidente, e as roupas para sair na rua. Ainda não tenho muitas opções de moda Irã que me permitam circular no ambiente de trabalho".

Perguntei à amiga o que ela gostava de fazer na cidade em que morava (e que também omito, por precaução) e que não pode fazer em Teerã. A resposta:

"Nossa, pensar nas coisas que gostava de fazer e não posso fazer aqui resultaria numa lista interminável. A verdade é que ainda preciso de tempo para descobrir o que posso fazer aqui. Gostava muito da liberdade de poder sair a qualquer hora. Aqui, depois das 22, sozinha, não tem jeito".

Em correspondência anterior, ela mencionara a perturbação causada pelo tornozelo à mostra. Perguntei como fora e ela conta:

"A história do tornozelo foi num restaurante na primeira semana. Sentamos no chão, num tapete, o restaurante era assim. Depois de um tempo, desconfortável na posição, estiquei as pernas, estava com um vestido longo, que, naturalmente, tinha subido um pouco. Logo veio o garçon e num tom estranho, pelo menos para quem não fala a língua deles, apontou e proferiu algumas palavras. O iraniano que estava no grupo me explicou que ele tinha que fazer isso, pois alguém poderia reclamar e o restaurante poderia ser multado, etc... Mas era um tornozelo mesmo, uma faixa de pele muito perto do pé, cruzes..."

"E também tem esse ponto, sair para jantar (pois cheguei em pleno Ramadã e não tem água nem comida até o sol desaparecer, outra hora falo sobre isso). Sem o conforto de uma roupa é meio chato, mas tenho ido a alguns lugares. Nesses momentos, você pode abstrair e se sentir em Nova York ou em qualquer capital européia, pois são lugares bacanas, embora sem álcool e com o ' 'dress code' daqui".

Minha amiga ficou de pensar sobre o outro lado, "as coisas boas de se viver em Teerã", para um segundo capítulo.

clóvis rossi

Clóvis Rossi é repórter especial e membro do Conselho Editorial da Folha, ganhador dos prêmios Maria Moors Cabot (EUA) e da Fundación por un Nuevo Periodismo Iberoamericano. É autor de obras como 'Enviado Especial: 25 Anos ao Redor do Mundo' e 'O Que é Jornalismo'. Escreve às terças, quintas, sextas e domingos.

 

As Últimas que Você não Leu

  1.  

Publicidade

Livraria da Folha

1499

1499

Reinaldo José Lopes

Comprar
Por que o Brasil É Um País Atrasado?

Por que o Brasil É Um País Atrasado?

Luiz Philippe de Orleans e Bragança

Comprar
Viva La Revolución

Viva La Revolución

Eric Hobsbawm

Comprar
Tirando de Letra

Tirando de Letra

Wilma Moura, Chico Moura

Comprar

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página