Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 

julia sweig

 

07/11/2012 - 06h03

Voto indireto é relíquia secular

Assim que eu transmitir esta coluna, vou descer a rua até uma escola próxima de minha casa, fazer fila com meus vizinhos, responder algumas questões para confirmar minha identidade e então darei meu voto para presidente.

Gosto da energia do dia da eleição, do suspense e da cobertura televisiva. Gosto de nossa Constituição, mas o sistema que ela promulgou para a eleição de nossos presidentes é uma relíquia secular. E a tecnologia para a contagem de nossos votos por vezes é ineficiente, inconsistente e, às vezes, confiável.

A maioria de nós vota pessoalmente, mas também temos votação antecipada, votação de pessoas não presentes e alguma coisa que apenas advogados no Estado de Ohio entendem: votos "provisórios". Temos um voto popular, mas o que vale é o voto do Colégio Eleitoral.

No século 18, os "pais fundadores" de nosso país (as mães foram excluídas) criaram um sistema de voto indireto porque achavam que o povão não possuía o discernimento necessário para exercer o voto direto.

Eles alocaram 3/5 de uma "pessoa" a cada escravo adulto do sexo masculino e somaram esse total ao voto masculino branco para calcular a população de cada Estado. Esse total, por sua vez, determinava o número de "eleitores", ou delegados, que cada Estado podia contribuir para um cômputo total nacional, chamado o Colégio Eleitoral.

Embora a escravidão tenha sido abolida desde então e tenhamos o sufrágio universal, o sistema do Colégio Eleitoral é injusto e sobrevive dolorosamente, de modo um pouco pitoresco.

Cada Estado (com poucas exceções) utiliza um sistema do tipo em que o vencedor fica com tudo para entregar seus votos eleitorais, não seu voto popular, a um dos dois candidatos presidenciais. O total de votos eleitorais do Estado é determinado pelo número de seus deputados na Câmara, mais seus dois senadores.

O censo determina o número total de votos no Colégio Eleitoral, que hoje está em 538. Para vencer, o próximo presidente precisa receber 270 votos.

Em 2000, George W. Bush ganhou o voto eleitoral quando a Suprema Corte suspendeu a contagem dos votos na Flórida e deu a Bush os votos eleitorais desse Estado. Al Gore venceu o voto popular nacional e, mesmo assim, perdeu a Presidência.

Desta vez, Obama pode ganhar no Colégio Eleitoral e Romney, no voto popular, com Ohio provocando o problema.

Os dois estão tecnicamente empatados nas sondagens nacionais. Mas nos oito Estados indecisos, onde os eleitores elegem republicanos e democratas e onde os candidatos gastaram mais tempo e dinheiro, Obama saiu à frente por margem estreitíssima na maioria das pesquisas da semana passada.

Meu próprio Estado, o solidamente democrata Maryland, a poucos quilômetros da Casa Branca, não vai determinar o resultado presidencial. Mas temos referendos estaduais significativos sobre casamento gay, cassinos e mais direitos para estudantes imigrantes. Adivinha como vou votar?

@JuliaSweig

JULIA SWEIG é diretora do Programa América Latina e do Programa Brasil do Council on Foreign Relations

julia sweig

Julia Sweig é diretora do programa de América Latina e do Programa Brasil do Council on Foreign Relations, centro de estudos da política internacional dos EUA. Escreve às quartas-feiras, a cada duas semanas.

 

As Últimas que Você não Leu

  1.  

Publicidade

Livraria da Folha

As Ideias Conservadoras

As Ideias Conservadoras

João Pereira Coutinho

Comprar
Pensadores da Nova Esquerda

Pensadores da Nova Esquerda

Roger Scruton

Comprar
Tudo o que Eu vi e Vivi

Tudo o que Eu vi e Vivi

Rosane Malta

Comprar
O Caso dos Nove Chineses

O Caso dos Nove Chineses

Ciça Guedes e Murilo Fiuza

Comprar

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Smart TV Smart TV Diversas ofertas a partir de R$ 856,11

Notebook Notebook Trabalhe, estude, jogue, a partir de R$ 769,00

Celulares | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página