Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 

julia sweig

 

05/12/2012 - 06h01

Novas narrativas no México

A posse do novo presidente do México, Enrique Peña Nieto, inspirou uma onda de comentários na mídia, dizendo que o momento do país chegou.

Relatos de sua visita ao presidente Obama louvaram seu sucesso em "mudar de assunto", da violência e insegurança para os tópicos mais felizes da parceria econômica e da nova classe média (Peña Nieto também fez isso, depois de eleito, em visita a Brasília).

O "Financial Times", a "Economist" e analistas agora argumentam que, com a economia mexicana preparada para uma recuperação prolongada, é hora de Washington superar sua fixação com imigrantes ilegais e violência dos cartéis, em vez disso focando mais sobre as oportunidades comerciais e energéticas.

O subtexto dessa narrativa é que, ao mesmo tempo em que o México fica mais competitivo, graças aos impostos baixos e aos custos mais altos da mão de obra na China, a estrela do Brasil está brilhando com menos força, graças (em parte) às alíquotas onerosas e ao desaquecimento da China.

Fica claro que, ao promover a nova narrativa sobre o México, a equipe de Peña Nieto provavelmente estudou os casos do Brasil e da Colômbia. O Brasil, que também sofre com a violência relacionada ao narcotráfico e à polícia, descobriu como narrar uma história positiva sobre sua nova classe média, energia, ambientalismo e, até recentemente, seus altos índices de crescimento.

Todos os rankings internacionais relativos a fazer negócios com o Brasil continuaram fracos ao longo do mesmo período em que capital entrou no país com abundância, à procura de bons investimentos.

A narrativa sobre a Colômbia também mudou rapidamente. Terrorismo, insurgências, homicídios e drogas deram lugar, na narrativa pública, a comércio, investimentos, a classe média, o legado cultural e a beleza natural. Mas a pobreza e a desigualdade continuam abissais.

É claro que essas transformações não são mera propaganda. A economia do México está, sim, se recuperando, e sua classe média está crescendo, ao mesmo tempo em que a violência dos cartéis continua.
A Colômbia está pondo fim a seu conflito interno e finalmente montando uma estratégia séria para tratar das questões fundiárias.

E, embora as exigências de conteúdo local, a falta de capacidade técnica e as limitações infraestruturais tenham desacelerado a economia do Brasil, o cenário no país é, como confidenciou um estrategista comercial brasileiro, "nem tão ruim quanto as pessoas pensam agora, nem era tão bom quanto as pessoas estavam dizendo antes".

Meu palpite é que o mesmo será dito do México e da Colômbia dentro de alguns anos, se e quando também eles virem sua trajetória atual se reduzir mesmo um pouquinho.

O que me parece irracional é a rapidez com que os comentaristas e a mídia aderem às narrativas mais convincentes, mesmo incompletas.

Na América Latina de hoje, democracia, insegurança e oportunidades econômicas coexistem. Wall Street é capaz de lidar com essa complexidade. Mas e Washington?

Tradução de CLARA ALLAIN

julia sweig

Julia Sweig é diretora do programa de América Latina e do Programa Brasil do Council on Foreign Relations, centro de estudos da política internacional dos EUA. Escreve às quartas-feiras, a cada duas semanas.

 

As Últimas que Você não Leu

  1.  

Publicidade

Livraria da Folha

Cegueira Moral

Cegueira Moral

Zygmunt Bauman

Comprar
Mandela

Mandela

Christo Brand, Barbara Jones

Comprar
Pavões Misteriosos

Pavões Misteriosos

André Barcinski

Comprar
As Mulheres Do Nazismo

As Mulheres Do Nazismo

Wendy Lower

Comprar

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

TV Smart TV Smart HDMI, LED, Full HD a partir de R$ 999,99

Refrigerador Refrigerador Side By Side, Duplex, Frost Free a partir de R$ 849,00

Home Theater | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página