Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 

julia sweig

 

10/04/2013 - 03h00

Cristo versus mudança na Venezuela

Dois anúncios de campanha contam a história toda do porquê de a eleição deste fim de semana na Venezuela ser um "fait accompli".

Conforme divulgado pelo "New York Times", o anúncio criado pelo grande marqueteiro político brasileiro João Santana "Ele nascerá de novo" compara Hugo Chávez a Jesus Cristo, numa montagem de imagens cafonas evocando paz e harmonia e de devotos de Chávez rezando.

O nome de Nicolás Maduro não é mencionado, mas para que se dar ao trabalho? Juntamente com o slogan lançado nos dias finais do presidente morto, "Eu sou Chávez", o anúncio deixa subentendido que, ao votar em seu sucessor escolhido, até os venezuelanos mortais têm uma chance de alcançar a vida eterna.

O outro anúncio, postado pelo blog "Caracas Chronicles", faz uma nobre tentativa de focar o voto sobre a pobreza e a má administração econômica. Usando animações simples e muitas estatísticas --sabe-se lá se são precisas--, o anúncio argumenta que, não obstante os US$ 620 bi obtidos em receita petrolífera em sua Presidência, Chávez não reduziu a pobreza tanto quanto o fizeram seus vizinhos no mesmo período.

Em vez disso, comprou o amor dos eleitores, usando a receita para incentivar o consumo, elevando a conta das importações ao invés de investir em empregos e produtividade. O anúncio conclui: se você quer progresso e políticas que reduzam a pobreza, vote na mudança. E então vemos uma foto de Capriles, mas seu nome não chega a ser mencionado.

Na eleição de outubro, 44% dos venezuelanos de fato votaram em Capriles e pela mudança. Com o índice de comparecimento às urnas previsto para ser muito menor agora, é difícil prever a diferença entre os candidatos. Mas, comparando as mensagens dos anúncios --Cristo versus mudança--, fica claro quão difícil será derrotar a inevitabilidade.

O único ator político venezuelano em situação pior que o perdedor predeterminado é o vencedor, Maduro.

Depois deste fim de semana, Capriles poderá tirar férias, escrever sua autobiografia, possivelmente polir suas credenciais no setor privado e traçar planos para 2020.

Maduro, porém, será obrigado em algum momento a enfrentar as consequências políticas da inflação, carestia, dos homicídios, da corrupção e da tarefa nada invejável de servir de intermediário entre vertentes concorrentes de chavismo.

Sem os conselhos do mentor (passarinhos não contam) e sem uma equipe experiente para reconstruir a economia, por quanto tempo Maduro poderá razoavelmente sobreviver à custa do legado de Chávez?

Sim, o chavismo chegou para ficar. E, sim, Chávez continuará a ser adorado e reverenciado, porque ajudou milhões de pessoas a passarem da invisibilidade para a visibilidade.

Mas sua Presidência também produziu o que um analista descreveu como, ao mesmo tempo, uma "cultura cívica vibrante" e uma "cultura política impiedosa". A analogia é imperfeita, mas, nesse ponto e em outras questões de Estado, Maduro faria bem em estudar a destreza com que Raúl Castro substituiu o carisma do irmão por mudanças políticas.

JULIA SWEIG dirige os programas América Latina e Brasil do Council on Foreign Relations

julia sweig

Julia Sweig é diretora do programa de América Latina e do Programa Brasil do Council on Foreign Relations, centro de estudos da política internacional dos EUA. Escreve às quartas-feiras, a cada duas semanas.

 

As Últimas que Você não Leu

  1.  

Publicidade

Livraria da Folha

As Ideias Conservadoras

As Ideias Conservadoras

João Pereira Coutinho

Comprar
Pensadores da Nova Esquerda

Pensadores da Nova Esquerda

Roger Scruton

Comprar
Tudo o que Eu vi e Vivi

Tudo o que Eu vi e Vivi

Rosane Malta

Comprar
O Caso dos Nove Chineses

O Caso dos Nove Chineses

Ciça Guedes e Murilo Fiuza

Comprar

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Smart TV Smart TV Diversas ofertas a partir de R$ 856,11

Notebook Notebook Trabalhe, estude, jogue, a partir de R$ 769,00

Celulares | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página