Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 

Kennedy Alencar

 

02/03/2012 - 16h22

As prioridades de Dilma na economia

Além da preocupação com a valorização do real, o radar econômico da presidente Dilma Rousseff está atento aos investimentos da Petrobras no pré-sal e às sucessões de poder nos Estados Unidos e na China.

Priorizar os investimentos domésticos, pisando no freio de planos de expansão externa, é a principal missão que Dilma deu à nova presidente da Petrobras, Maria das Graças Foster. A tarefa ajuda a explicar sua nomeação.

A maior estatal brasileira responde por aproximadamente 60% dos investimentos do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento). Garantir a aplicação desses recursos pode ajudar o país a atravessar um período de crise econômica mundial que começou em 2008 e que dá sinais de que ainda pode durar pelo menos um mandato presidencial.

Nesse sentido, a Petrobras cumpriria uma missão importante para manter aquecida a economia brasileira. Dilma gostaria de chegar ao final do seu mandato com uma extração significativa de petróleo da camada do pré-sal e com uma infraestrutura preparada para dar conta do recado pelos próximos 20 anos.

Os investimentos em infraestrutura que estão ligados à realização da Copa do Mundo e às Olimpíadas de 2016 são, digamos assim, a cereja do bolo do pacote de obras que Dilma gostaria de tirar de verdade do papel.

De resto, outras obras federais terão de conviver com a tesoura para manter um rigor fiscal que permita a continuidade da redução da dívida pública em relação ao PIB (Produto Interno Bruto).

*

EUA e China

No PT, uma ala ligada ao ex-ministro José Dirceu costuma dizer que, do ponto de vista pragmático, é sempre melhor para o Brasil um presidente republicano do que uma democrata. Dilma não pensa assim. E tem esperança de que um Barack Obama reeleito possa reencontrar o candidato de 2008. Seria melhor para o planeta.

Da Ásia, as informações que chegam ao governo dão conta de uma sucessão que manterá a linha de Hu Jintao. A mudança deverá acontecer em outubro. Para o Brasil, é sinal de que precisa de uma estratégia pendular. Ou seja, continuarmos com a reaproximação com os EUA, movimento que teve início no ano passado, e hora de nos afastarmos um pouco da China, que tem se beneficiado com mais qualidade comercial das nossas relações bilaterais.

*

Banco Central

Juros mais baixos continuam a ser um preocupação da presidente, mas são uma questão que ela julga em processo de solução. O atual Banco Central, sob o comando de Alexandre Tombini, mais do que captou a mensagem de que deve levar em conta o crescimento da economia na hora de fixar a taxa básica de juros, a Selic.

Kennedy Alencar

Kennedy Alencar escreve no site às sextas. Na rádio CBN, é titular da coluna "A Política Como Ela É", que vai ao ar no "Jornal da CBN" às 8h55 de segunda a sexta. Na RedeTV!, apresenta os programas "É Notícia" e "Tema Quente".

 

As Últimas que Você não Leu

  1.  

Publicidade

Livraria da Folha

1499

1499

Reinaldo José Lopes

Comprar
Por que o Brasil É Um País Atrasado?

Por que o Brasil É Um País Atrasado?

Luiz Philippe de Orleans e Bragança

Comprar
Viva La Revolución

Viva La Revolución

Eric Hobsbawm

Comprar
Tirando de Letra

Tirando de Letra

Wilma Moura, Chico Moura

Comprar

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página