Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu

A Copa dos sujos é nossa

Já chegamos derrotados ao ano da tão esperada Copa do Mundo, passando vergonha. Mesmo que a seleção "Canarinho" fique com a taça, já é nosso o troféu de cidade suja, como verão todos os turistas que virão ao Brasil para o torneio! E nada sugere que vamos conseguir mudar essa marca ao longo do primeiro semestre.

Há vários anos alguns setores da sociedade, como o sindicato dos trabalhadores em limpeza urbana (Siemaco), vêm reclamando campanhas educativas permanentes para tentar mudar o mau hábito de sujar o espaço público, tão característico de nossa gente, como um elemento importante da preparação do Brasil para a Copa. Mas nada foi feito e pelo jeito chegaremos à estreia com estádios novos, aeroportos em obras e ruas cheias de lixo. Só o Rio tem feito uma campanha mais ostensiva para mudar o comportamento do carioca.

Há um frequente erro de pontaria que faz brasileiros reclamarem dos governos diante de problemas que eles não causam e nem têm como resolver. É uma "estatização da indignação". Parte da culpa é certamente do jornalismo que, por razões que não cabe especular aqui, coloca o poder público como "outro lado" mesmo em reportagens nas quais os governos têm pouco a dizer: a calçada quebrou; fulano foi atropelado; tem lixo na rua, o que diz a Prefeitura? (A pergunta é feita mesmo quando os problemas são de responsabilidade de um ou alguns cidadãos)...

O que se projeta dessa expectativa de onipresença é a imagem de um Poder Público que deveria dar conta de tudo e de todos como se ele fosse um monstro onipresente e asfixiante, o "Leviatã" imaginado por Thomas Hobbes (1588-1679). Mas o Estado não é tudo isso, tanto por incompetência quanto porque não queremos (por isso mesmo as constituições democráticas atribuem tantos limites ao poder dos governantes).

Ao mesmo tempo, enquanto olha para o poder público a toda hora, a população deixa impunes os maiores culpados de boa parte das mazelas da cidade: as pessoas físicas, comuns.

Quem joga lixo nas ruas? Cidadãos. Então, se a cidade está suja, por que culpar o governo por não limpar? É um caso semelhante ao que já há muito se fala sobre a cobertura de casos de corrupção: enquanto o noticiário se volta exclusivamente para agentes públicos corrompidos, poucas são as notícias sobre os facínoras que corrompem.

No caso da outra sujeira, a do lixo no espaço público, é preciso olhar e agir contra os cidadãos que descartam detritos nas ruas. Limpar uma cidade de 11 milhões de habitantes que sujam todos os cantos é impossível ou custa uma montanha de dinheiro que não é justo gastar, tirando investimento de escolas e hospitais ou mesmo do transporte público. Basta pensar que se não tivesse que gastar tanto com varrição de ruas, a prefeitura poderia em poucos meses acabar com todo o déficit de vagas em creche. Ou manter congelada a tarifa de ônibus por muitos anos.

Enquanto a população condescender com o mau hábito e continuar culpando o poder público pelo que ela mesmo faz, nos restará apenas disputar o título da Copa das Cidades Mais Sujas do Mundo.

leão serva

Leão Serva, ex-secretário de Redação da Folha, é jornalista, escritor e coautor de 'Como Viver em SP sem Carro'.

Livraria da Folha

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade call of duty

Livraria da Folha

Publicidade
Publicidade

Folha Shop

Ford Fiesta Ford Fiesta Confira aqui! A partir de R$ 15.749

Notebook Notebook LED, HDMI e USB, a partir de 14x de R$ 62,23

Home Theater | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página