Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 

luli radfahrer

 

29/10/2012 - 03h00

Em defesa de uma transparência radical

Toda vez que alguém defende a privacidade na rede um banco sorri. Em nome de um sigilo que não se consegue definir ao certo, os dados de bilhões de transações de débito e crédito realizadas a cada instante são armazenados em silos e calculados em sistemas privados.

Essa grande massa de operações gera resultados estatísticos de porte, marcando pessoas, negócios, hábitos, interesses e valores consumidos, identificando hábitos de consumo e padrões de comportamento valiosíssimos. A inteligência gerada por todo esse cálculo estatístico permite que empresas de cartão de crédito sejam capazes de identificar a iminência de um divórcio antes de sua manifestação. Ou da probabilidade de uma gravidez antes da não ovulação.

Toda vez que alguém defende a privacidade na rede um governo comemora. Por mais que se fale em WikiLeaks e descobertas da Imprensa, os dados de grandes transações continuam escusos em seus detalhes, os dignatários que escolhemos para nos representar podem se dar ao luxo de defender o sigilo de seus votos ou de suas atividades e as prestações de contas são realizadas em ambientes de franca camaradagem. Funcionários, bens e obras públicas, se verdadeiramente públicos, deveriam abrir suas contas, resultados, salários e impostos pagos, como o fazem com seus acionistas as empresas abertas.

Toda vez que alguém defende a privacidade na rede um plano de saúde celebra. E guarda para si os dados históricos de seus pacientes e médicos, estabelecendo faixas de cobrança genéricas para os primeiros e metas quiméricas para a produtividade dos últimos.

Pressionados e mal remunerados, profissionais de saúde acabam tendo de adivinhar o histórico de seus pacientes e receitar a pílula mais potente e genérica que estiver disponível, torcendo para que não caiam em seus colos eventuais interações medicamentosas. Abandonados, pacientes recorrem furtivamente ao Google e às redes sociais, onde recebem apoio e recomendações das pessoas mais populares e assertivas, mesmo que estas não sejam as mais adequadas ou recomendáveis.

Toda vez que alguém defende a privacidade na rede o departamento de Recursos Humanos de uma grande empresa suspira aliviado. E tritura critérios de contratação, condições de trabalho, horas úteis, argumentos de mérito, volume de promoções, motivos para bônus, promessas não cumpridas, normas ditadas, dogmas internacionais e práticas eticamente controversas. Em redes como o LinkedIn, que poderiam discutir a efetividade de suas práticas, a vigilância é intensa, ninguém é besta de se comportar mal. E em nome de uma possível contratação ou indicação futura os maus-tratos são perdoados e as perseguições, esquecidas.

Toda vez que alguém defende a privacidade na rede os cartórios e tribunais consideram aumentar suas salas de espera, pois sabem que logo estarão preenchidas pelos portadores de documentos de requerentes e de seus advogados, que tentam abrir caminho na selva burocrática de segredos, véus e cortinas, mesmo sabendo que vários de seus colegas usarão dos mesmos recursos para tentar bater-lhes as portas à cara. Os direitos de privacidade são muitas vezes enunciados em vão como subterfúgio para bloquear o acesso à informação.

Toda vez que alguém defende a privacidade na rede o comércio eletrônico fatura. E usa as informações que seus clientes forneceram voluntariamente e gratuitamente como argumento de vendas na forma de recomendações, indicações e outros argumentos de formação de manadas como o velho, mas sempre eficiente, "pessoas que compraram o que você comprou também se satisfizeram com os produtos a seguir", aproveitando-se do fato que o virtual, intangível, não sobrecarrega. E que o peso no bolso, parcelado, só será sentido depois que a transação já for história. Tentações permanentes, as lojas online nunca fecham. E inauguram um hábito que até há pouco seria bem difícil: o de comprar antes mesmo de se levantar.

Toda vez que alguém defende a privacidade na rede grandes corporações digitais como Google e Facebook choram lágrimas de crocodilo enquanto enriquecem. Sem transparência a terra é de cegos, reina quem se predispõe a enxergar. A fortuna desses conglomerados vem da comercialização publicitária de links oportunos, que se aproveitam do histórico de navegação, da rede de contatos e dos locais visitados por seus inocentes usuários, ao mesmo tempo fonte e objetivo de tantas mensagens comerciais.

Toda vez que alguém defende a privacidade na rede, agências de publicidade e departamentos de marketing contratam. Seguros que a inteligência de mercado de seus clientes continuará privativa, hermética e sujeita a interpretações. Enquanto tentam influenciar comportamentos a partir de históricos, suas campanhas continuam belas, fúteis e efêmeras, prática muito mais fácil do que investir em algo construtivo.

Toda vez que alguém defende a privacidade na rede as telefônicas gargalham. E acumulam dados de transações, consumo de banda e geolocalização de seus usuários para criar bases de dados estratégicas, fundamentais para a definição de rotas de logística, identificação de pontos de estrangulamento e definição de áreas problemáticas. Dados que poderiam ser fundamentais para melhorar o trânsito, o atendimento médico ou o transporte público. Encarcerados como estão, só servem para criar vantagens comerciais temporárias. Se é que são utilizados de alguma forma.

Vivemos em um ambiente quantificável, em que informações de que até há pouco tempo não se dava conta passaram a se tornar diferenciais estratégicos. Privacidade, como a conhecíamos, é mito: somos todos transparentes. Desinformados que malham o Facebook parecem não se dar conta de que o publicado ali é intencional, consciente. Os dados crus, que definem com precisão quem você é, o que faz, onde gasta seu tempo, estão coletados por várias outras empresas, com precisão - e previsão - que apavoraria George Orwell.

A internet, distribuída em equipamentos e sensores diversos, está se transformando na maior fonte de informação do mundo, retirando dados de atividades corriqueiras e os transformando em bens estratégicos. Como todos são responsáveis por sua produção, seus resultados devem ser acessíveis, sujeitos a uma legislação ética que beneficie a todos. Mas para isso eles não podem ficar trancados em servidores, devem se tornar parte do patrimônio e da reputação individual.

Na sociedade pós-privacidade não há lugar para segredos, senhas ou fraudes. Em rede somem as castas, médias, nichos e hierarquias. Até mesmo as teorias de Adam Smith e Karl Marx precisam ser revistas quando o grupo, livre, se comporta como um só organismo.

luli radfahrer

Luli Radfahrer é professor-doutor de Comunicação Digital da ECA (Escola de Comunicações e Artes) da USP há 19 anos. Trabalha com internet desde 1994 e já foi diretor de algumas das maiores agências de publicidade do país. Hoje é consultor em inovação digital, com clientes no Brasil, EUA, Europa e Oriente Médio. Autor do livro 'Enciclopédia da Nuvem', em que analisa 550 ferramentas e serviços digitais para empresas. Mantém o blog www.luli.com.br, em que discute e analisa as principais tendências da tecnologia. Escreve a cada duas semanas.

 

As Últimas que Você não Leu

  1.  

Publicidade

Livraria da Folha

Tirando de Letra

Tirando de Letra

Wilma Moura, Chico Moura

Comprar
1499

1499

Reinaldo José Lopes

Comprar
Só Mais Um Esforço

Só Mais Um Esforço

Vladimir Safatle

Comprar
A Vantagem Humana

A Vantagem Humana

Suzana Herculano-Houzel

Comprar
Do Chão ao Topo

Do Chão ao Topo

Joaquim Castanheira, Rogério Gabriel

Comprar

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página