Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 

moisés naím

 

29/03/2013 - 03h00

Inovar é preciso

Quando converso com universitários, frequentemente pergunto quantos deles se juntariam a mim se eu formasse uma organização para salvar uma espécie de borboleta ameaçada de extinção no Haiti.

Algumas mãos sempre se levantam. Então pergunto quantos se juntariam a mim em um dos partidos políticos existentes. Nesse momento, todos correm para a porta.

Pode soar como uma anedota trivial, mas acredito que, na realidade, ela representa uma tendência global com consequências sérias.

Em todo o mundo, as duas últimas décadas vêm sendo desastrosas para os partidos políticos, especialmente em comparação com as ONGs. Hoje, quando se trata de atrair pessoas idealistas e engajadas, os partidos mal têm chance.

Muitos ainda conservam poder substancial, e em alguns países é impossível para novos rivais os desafiarem. Mas, na maioria das democracias, a estrutura partidária tradicional foi posta do avesso e substituída por coalizões rudimentares compostas de partidos velhos e desgastados e organizações políticas mais novas, mas fugazes.

Por que isso tem importância? As democracias baseadas em ONGs que lutam por causas isoladas e em máquinas eleitorais oportunistas são democracias frágeis. E estão proliferando.

Para corrigir isso, precisamos de uma onda de inovação política que se compare a outras inovações que transformaram nossas vidas. Veja como inovações recentes mudaram os modos como comemos, lemos, escrevemos, fazemos compras, namoramos, viajamos e nos comunicamos. Quase tudo o que fazemos foi transformado por novas tecnologias e novas organizações.

Tudo, isto é, menos o modo como nos governamos. Precisamos de inovações igualmente revolucionárias, que rompam padrões e tragam os partidos políticos para o século 21.

Do jeito como as coisas estão, a paralisia política é crescente, e os governos estão cada vez mais incapazes de tomar as decisões necessárias para fazer frente aos problemas de seus países.

Quando o poder se torna tão restrito assim, a estabilidade, a previsibilidade, a segurança e a prosperidade material são prejudicadas.

As "vetocracias" (termo cunhado por Francis Fukuyama) se multiplicam em todo o mundo. São sistemas em que atores em grande número têm poder suficiente para vetar, diluir e adiar decisões, mas nenhum ator isolado possui poder suficiente para fazer uma agenda ser implementada.

Tome-se, por exemplo, a débacle dos cortes obrigatórios no orçamento dos EUA que entraram em vigor em 1º de março. A recusa de uma facção em ceder num pacto orçamentário levou a cortes abrangentes e irracionais que só poderão prejudicar o país.

Ou tome-se a Itália, onde eleições recentes levaram a um impasse parlamentar, fazendo com que seja impossível formar um governo viável. Ou Israel. Ou o Reino Unido.
Para melhorar a eficácia dos governos democráticos, os partidos políticos precisam recuperar a capacidade de inspirar, energizar e mobilizar pessoas

@moisesnaim

Tradução de CLARA ALLAIN

Moisés Naím

O escritor venezuelano Moisés Naím, do Carnegie Endowment for International Peace, foi editor-chefe da revista "Foreign Policy". Escreve às sextas na versão impressa de "Mundo".

 

As Últimas que Você não Leu

  1.  

Publicidade

Livraria da Folha

Tribunos, Profetas e Sacerdotes

Tribunos, Profetas e Sacerdotes

Bolívar Lamounier

Comprar
Maonomics

Maonomics

Loretta Napoleoni

Comprar
Box - As Eras

Box - As Eras

Eric Hobsbawm

Comprar
Uma História do Comunismo (DVD Duplo)

Uma História do Comunismo (DVD Duplo)

Patrick Rotman e Patrick Barbéris

Comprar

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Geladeiras Geladeiras Frost Free, Duplex, a partir de R$ 862,20

Notebook Notebook Trabalhe, estude, jogue, a partir de R$ 769,00

Celulares | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página