Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 

vaivém

Por Mauro Zafalon  

19/09/2012 - 03h00

Brasil amplia venda de milho para EUA e China

DE SÃO PAULO

O milho brasileiro está tomando novos rumos neste ano. Isso porque dois países de peso no mercado internacional de commodities entraram na disputa pelo produto brasileiro: Estados Unidos e China.

À medida que os números vão indicando quebra superior a 100 milhões de toneladas nesta safra nos Estados Unidos, os norte-americanos fizeram a primeira compra comercial de milho no Brasil neste ano.

A Secex registrou a importação de 44 mil toneladas no mês passado. Tradicionalmente, os EUA não compram milho brasileiro.

Os chineses, há pouco tempo no mercado de importação do cereal, também incluíram o Brasil na lista dos países fornecedores.

Após compras insignificantes no primeiro semestre do ano, levaram 67 mil toneladas do produto brasileiro entre julho e agosto.

Não são apenas norte-americanos e chineses que se incluem na lista de novos parceiros do Brasil na comercialização de milho. A lista inclui vários países da América Central, antes compradores de EUA, África e Ásia.

Panamá, Porto Rico, Equador, Guatemala, Israel, Nigéria e Tailândia são alguns dos países que não compraram o cereal no ano passado e que agora adquirem bom volume neste ano.

A busca pelo produto brasileiro fez as exportações nacionais atingirem o recorde de 2,7 milhões de toneladas em agosto, volume que deve crescer ainda mais nos próximos meses.

As estimativas são de exportações superiores a 15 milhões de toneladas no ano.

Editoria de Arte/Folhapress

*

ATIVOS O cenário para as carnes pode ser mais tranquilo no próximo ano. A troca de ativos entre grandes empresas neste ano deixou algumas regiões conturbadas.

MELHORA Algumas empresas ficaram com o abate, mas sem as granjas de animais. Outras ficaram com as granjas, mas sem o abatedouro. Isso causou um certo desajuste, o que deve ser resolvido no próximo ano, diz um analista do setor.

EUROPA A produtividade de trigo caiu 5% neste ano, em relação ao ano passado. No caso do milho, a queda foi maior ainda, atingindo 18%, segundo dados da divisão agrícola da comissão europeia para agricultura. Motivo: a seca que se espalhou pelo mundo todo neste ano.

MUITO POUCO A produção de mamona vai despencar neste ano. As estimativas mais recentes da Conab indicam que a produção recua para apenas 26 mil toneladas nesta safra, 82% menos do que na anterior.
Em alta Já a produção brasileira de girassol reage, aumentando para 116 mil toneladas. Se confirmado, esse volume supera em 40% o do ano passado, segundo dados da Conab.

DIA DE QUEDAS As commodities internacionais encerraram o dia em queda ontem. Em Nova York, açúcar lidera com 2,95%. Em seguida aparece o cacau, com 2,01%.

*

PREÇOS ESTÃO EM ALTA NOS FRIGORÍFICOS DE SP

Os preços de suínos voltaram a subir nos frigoríficos paulistas. A melhora nas vendas e a ligeira redução na quantidade de animais explicam a alta nos preços da carne. Segundo pesquisa da Folha, na média, o valor está em R$ 53,4, mas já existem negócios a R$ 56.

com KARLA DOMINGUES

vaivém

Mauro Zafalon é jornalista e, em duas passagens pela Folha, soma mais de 38 anos de jornal. Escreve sobre commodities e pecuária.

 

As Últimas que Você não Leu

  1.  

Publicidade

Livraria da Folha

O Rei De Amarelo

O Rei De Amarelo

Richard W. Chambers

Comprar
Pensando O Século XX

Pensando O Século XX

Tony Judt

Comprar
Uma Longa Queda

Uma Longa Queda

Nick Hornby

Comprar
O Misantropo

O Misantropo

Moliere

Comprar
Box - As Eras

Box - As Eras

Eric Hobsbawm

Comprar

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Ford Fiesta Ford Fiesta Confira aqui! A partir de R$ 15.749

Notebook Notebook LED, HDMI e USB, a partir de 14x de R$ 62,23

Home Theater | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página