Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 

vaivém

Por Mauro Zafalon  

19/09/2012 - 03h00

Brasil amplia venda de milho para EUA e China

DE SÃO PAULO

O milho brasileiro está tomando novos rumos neste ano. Isso porque dois países de peso no mercado internacional de commodities entraram na disputa pelo produto brasileiro: Estados Unidos e China.

À medida que os números vão indicando quebra superior a 100 milhões de toneladas nesta safra nos Estados Unidos, os norte-americanos fizeram a primeira compra comercial de milho no Brasil neste ano.

A Secex registrou a importação de 44 mil toneladas no mês passado. Tradicionalmente, os EUA não compram milho brasileiro.

Os chineses, há pouco tempo no mercado de importação do cereal, também incluíram o Brasil na lista dos países fornecedores.

Após compras insignificantes no primeiro semestre do ano, levaram 67 mil toneladas do produto brasileiro entre julho e agosto.

Não são apenas norte-americanos e chineses que se incluem na lista de novos parceiros do Brasil na comercialização de milho. A lista inclui vários países da América Central, antes compradores de EUA, África e Ásia.

Panamá, Porto Rico, Equador, Guatemala, Israel, Nigéria e Tailândia são alguns dos países que não compraram o cereal no ano passado e que agora adquirem bom volume neste ano.

A busca pelo produto brasileiro fez as exportações nacionais atingirem o recorde de 2,7 milhões de toneladas em agosto, volume que deve crescer ainda mais nos próximos meses.

As estimativas são de exportações superiores a 15 milhões de toneladas no ano.

Editoria de Arte/Folhapress

*

ATIVOS O cenário para as carnes pode ser mais tranquilo no próximo ano. A troca de ativos entre grandes empresas neste ano deixou algumas regiões conturbadas.

MELHORA Algumas empresas ficaram com o abate, mas sem as granjas de animais. Outras ficaram com as granjas, mas sem o abatedouro. Isso causou um certo desajuste, o que deve ser resolvido no próximo ano, diz um analista do setor.

EUROPA A produtividade de trigo caiu 5% neste ano, em relação ao ano passado. No caso do milho, a queda foi maior ainda, atingindo 18%, segundo dados da divisão agrícola da comissão europeia para agricultura. Motivo: a seca que se espalhou pelo mundo todo neste ano.

MUITO POUCO A produção de mamona vai despencar neste ano. As estimativas mais recentes da Conab indicam que a produção recua para apenas 26 mil toneladas nesta safra, 82% menos do que na anterior.
Em alta Já a produção brasileira de girassol reage, aumentando para 116 mil toneladas. Se confirmado, esse volume supera em 40% o do ano passado, segundo dados da Conab.

DIA DE QUEDAS As commodities internacionais encerraram o dia em queda ontem. Em Nova York, açúcar lidera com 2,95%. Em seguida aparece o cacau, com 2,01%.

*

PREÇOS ESTÃO EM ALTA NOS FRIGORÍFICOS DE SP

Os preços de suínos voltaram a subir nos frigoríficos paulistas. A melhora nas vendas e a ligeira redução na quantidade de animais explicam a alta nos preços da carne. Segundo pesquisa da Folha, na média, o valor está em R$ 53,4, mas já existem negócios a R$ 56.

com KARLA DOMINGUES

vaivém

Mauro Zafalon é jornalista e, em duas passagens pela Folha, soma mais de 38 anos de jornal. Escreve sobre commodities e pecuária.

 

As Últimas que Você não Leu

  1.  

Publicidade

Livraria da Folha

O Que O Brasil Quer Ser Quando Crescer?

O Que O Brasil Quer Ser Quando Crescer?

A. G. Roemmers, Gustavo Ioschpe

Comprar
Meus Tiranos Favoritos

Meus Tiranos Favoritos

Bob Lutz

Comprar
Cegueira Moral

Cegueira Moral

Zygmunt Bauman

Comprar
Mandela

Mandela

Christo Brand, Barbara Jones

Comprar
Pavões Misteriosos

Pavões Misteriosos

André Barcinski

Comprar

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

TV LED TV LED HDMI, Full HD a partir de R$ 899,90

Geladeira Geladeira Side By Side, Duplex, Frost Free a partir de R$ 849,00

Home Theater | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página