Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 

vinicius torres freire

 

25/09/2012 - 03h00

Estatização bancária e Dilma

No mês do estouro da presente crise financeira, em setembro de 2008, os bancos públicos eram responsáveis por 34,2% do dinheiro emprestado no Brasil (do "estoque de crédito"). Em julho deste ano, tinham 45,4%.

Não é muito errado dizer que, na prática, o governo abocanhou um banco com 11% do crédito. Isto é, um banco do tamanho dos maiores bancos nacionais.

Se o governo tentasse estatizar um bancão privado, haveria, claro, escândalo, goste-se ou não da ideia. Mas, goste-se ou não, o setor bancário ficou mais estatal sob Lula e Dilma. Lula não bulia com bancos até a crise de 2008. Na verdade, sua virada "esquerdista" na economia ocorreu apenas na crise.

Foi então que adeptos e simpatizantes de Lula e gente mais à esquerda passaram a falar de boca cheia sobre "desenvolvimentismo", botando no mesmo saco a expansão das políticas sociais (de matriz no fundo tucana) com intervenções diretas no mercado.

É um "desenvolvimentismo acidental", como acidentais, mais ou menos improvisadas e pragmáticas, foram tantas políticas na história. Como foi o "keynesianismo avant la lettre", antes de Keynes, nos EUA dos anos 1930, ou o próprio desenvolvimentismo brasileiro original, inventado aos trancos e barrancos entre os anos 1940 e 1960.

Claro que inclinações intelectuais e políticas de governantes e partidos, além do clima da época, propiciam viradas para esta ou aquela direção. No meio do caminho, inventa-se uma teoria ou recicla-se uma velha para justificar ou legitimar decisões tomadas muita vez mais por precisão do que por boniteza.

Dilma é "estatista"? Retomou o caminho "liberalizante" ao prometer privatização de estrada, porto e aeroporto? Faz política macroeconômica mais "heterodoxa"?

Dilma é mais intervencionista, mas tomou decisões maiores devido ao desejo de retomar o crescimento econômico de curto prazo. A decisão mais planejada, ao que parece, foi nomear uma diretoria do BC menos ortodoxa e mercadista. No mais, foi se arranjando.

Ministra de Lula, detonou um plano de reduzir rapidamente dívida e deficit. Já presidente, fez um pacto com o BC, segurando gasto a fim de tornar possível a redução de juros.

Era contra a privatização de infraestrutura até perceber que não haveria aeroporto para a Copa e que o governo é lentérrimo, inepto ou bandido quando precisa fazer investimentos.

Mas foi para o confronto com a banca no caso dos juros (aliás, ontem o Bradesco baixou espantosamente sua taxa de juros no cartão de crédito). Voltou a acelerar a "estatização" do crédito no país.

Acabou de arrumar mais de R$ 21 bilhões para o capital do Banco do Brasil e da Caixa, a fim de permitir avanço ainda maior da banca estatal. Neste ano, desde o início da campanha contra juros altos (abril), os bancos públicos foram responsáveis por 73% do aumento do crédito no Brasil. Mais ou menos como na crise de 2008-09.

Mas, se a banca privada voltar à ativa, Dilma vai insistir na "estatização"? Decerto esse tumulto de decisões tem alguma direção e vai fazer diferença (em especial no caso dos juros menores, se ficarem menores). Mas não dá para pensar o jeitão da coisa e o andar da carruagem se apegando a rótulos.

vinicius torres freire

Vinicius Torres Freire está na Folha desde 1991. Foi secretário de Redação, editor de 'Dinheiro', 'Opinião', 'Ciência', 'Educação' e correspondente em Paris. Em sua coluna, aborda temas políticos e econômicos. Escreve de terça a sexta e aos domingos

 

As Últimas que Você não Leu

  1.  

Publicidade

Livraria da Folha

As Ideias Conservadoras

As Ideias Conservadoras

João Pereira Coutinho

Comprar
Pensadores da Nova Esquerda

Pensadores da Nova Esquerda

Roger Scruton

Comprar
Tudo o que Eu vi e Vivi

Tudo o que Eu vi e Vivi

Rosane Malta

Comprar
O Caso dos Nove Chineses

O Caso dos Nove Chineses

Ciça Guedes e Murilo Fiuza

Comprar

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Smart TV Smart TV Diversas ofertas a partir de R$ 856,11

Notebook Notebook Trabalhe, estude, jogue, a partir de R$ 769,00

Celulares | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página