Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
20/03/2013 - 21h53

Promotoria pede obras para evitar transbordamento de rios em Petrópolis (RJ)

Publicidade

DO RIO

O Ministério Público do Rio vai pedir nesta quinta-feira à Justiça a realização de obras para evitar o transbordamento dos rios Quitandinha e Piabanha, em Petrópolis (RJ). Segundo a instituição, as enchentes contribuíram para as 28 mortes ocorridas no município com as chuvas do último domingo (17) e segunda-feira (18).

Envie seu relato ou imagem das chuvas no Rio
Chega a 27 o nº de mortos por causa das chuvas em Petrópolis (RJ)
Dilma diz que governo não pode permitir construções em áreas de risco
Duque de Caxias (SP) tem 600 pessoas desalojadas por causa da chuva

Uma ação civil pública será ajuizada requerendo que a Prefeitura de Petrópolis, o Estado do Rio e o Inea (Instituto Estadual do Ambiente) realizem as obras. Na noite desta quarta-feira (20), o prefeito de Petrópolis, Rubens Bontempo, afirmou que os prejuízos na cidade somam R$ 120 milhões.

Na ação, a Promotoria vai pedir que seja elaborado, em um prazo de 30 dias, um projeto de engenharia e a recomposição da mata ciliar do Quitandinha e do Piabanha. O prazo para a execução dessas obras é de 180 dias.

A Promotoria também vai pedir dois tipos de indenização: uma pelas perdas patrimoniais das vítimas das enchentes e outra por dano moral coletivo. O recurso será destinado ao Fundo Nacional dos Direitos Difusos.

VÍTIMAS

Entre os mortos em Petrópolis estão dois agentes da Defesa Civil. Fernandes de Lima, 44, e Paulo Roberto Filgueiras orientavam moradores a abandonar a área, quando uma nova avalanche arrastou um muro, que caiu sobre os dois. Eles morreram na hora. Um terceiro agente sofreu traumatismo craniano e está internado.

Em Duque de Caxias, município da Baixada Fluminense, mais de 600 pessoas abandonaram as casas, alagadas após o transbordamento dos rios Capivari e Saracuruna. A cidade deve receber R$ 12 milhões do Ministério da Integração Nacional para a execução de obras de reconstrução e recuperação de danos causados pelas chuvas.

A Defesa Civil colocou Angra dos Reis em estado de alerta. A cidade também sofreu com deslizamentos, alagamentos, quedas de árvores, além de estragos em pontes. Ninguém ficou ferido e pelo menos 36 pessoas estão desalojadas, segundo a prefeitura.

table(articleGraphic).
|/3.(articleGraphicSpace). |(articleGraphicCredit). Editoria de Arte/Folhapress|/3.(articleGraphicSpace). |
|(articleGraphicImage). |
O Ministério Público do Rio também prepara uma segunda ação, pedindo que sejam apontadas soluções para o problema das encostas no município, como obras de contenção e remoção de famílias em áreas de risco.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página