Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
29/07/2010 - 01h56

Corpo carbonizado em Cachoeira Paulista não é de Eliza Samudio, diz polícia

Publicidade

DE SÃO PAULO

O corpo carbonizado encontrado em Cachoeira Paulista (a 212 km de São Paulo) no dia 26 de junho não é de Eliza Samudio, ex-amante do goleiro Bruno, segundo informações da polícia de Guaratinguetá.

O laudo feito pelo Instituto de Criminalística, enviado nesta quarta-feira (28), identificou o corpo como sendo um homem, segundo os policiais.

O corpo estava totalmente carbonizado e sem a arcada dentária superior. Inicialmente, a estatura pequena levantou suspeitas de que fosse uma mulher e chamou a atenção da polícia de Cachoeira o fato de ninguém tê-lo reclamado, por isso foi informado à polícia mineira.

O corpo foi encaminhado pela Polícia Civil de Cachoeira Paulista para o IC (Instituto de Criminalística) de São Paulo, onde foi realizado o exame de DNA, solicitado pela polícia mineira, para checar se o corpo é de Eliza Samudio, que tentava provar na Justiça que o jogador é pai de seu filho de cinco meses.

O delegado Edson Moreira, que preside o inquérito do suposto homicídio de Eliza, afirmou no último sábado que as chances do corpo ser o de Eliza eram muito baixas. Ainda assim, a polícia mineira teve de esperar pelo laudo porque toda suposta prova tem que ser considerada até estar totalmente descartada, disse Moreira. Segundo o delegado, essa espera acabou por retardar um pouco a conclusão do inquérito.

'No caso de Cachoeira Paulista, a possibilidade de ser os restos mortais de Eliza é 0,001%, no máximo. A probabilidade é praticamente zero. Só que é um nó que precisa ser desatado.'

Por conta do desaparecimento e suposta morte de Eliza, estão presos o goleiro Bruno, seu amigo e funcionário Luiz Henrique Romão, o Macarrão, Dayanne Souza, mulher de Bruno, o ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, Sérgio Sales, primo de Bruno, além de mais dois amigos do goleiro, Wemerson Souza e Flávio Araújo.

O caseiro do sítio, Elenilson Silva, também está preso. A prisão de todos eles é temporária (30 dias). Um outro primo de Bruno, adolescente de 17 anos, também está apreendido e teve sua internação pedida ontem pelo Ministério Público pelos crimes de sequestro e homicídio.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página