Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
11/08/2011 - 20h03

Feira da Madrugada em SP não tem data para reabrir

Publicidade

DE SÃO PAULO

A reabertura da Feira da Madrugada, no Pari, região central de São Paulo, ainda não tem data para acontecer. A feira está interditada desde a última sexta-feira (5) em decorrência de uma operação contra a pirataria.

Comerciantes da Feira da Madrugada voltam a protestar em SP

Em nota, a Secretaria Municipal de Segurança Urbana afirmou que a possibilidade de reabertura, mesmo que parcial, depende de proposta da administração da feira "que ofereça condições de segurança aos organismos que estão fazendo a fiscalização no local".

Mais de 800 lojas passaram por um processo de triagem e agora estão sendo fiscalizadas ou tendo a documentação analisada pela Receita Estadual e Receita Federal, Polícia Federal e Vigilância Sanitária, diz o órgão.

Segundo a secretaria, os trabalhos de fiscalização foram intensificados, mas ainda continuarão na próxima semana. Na segunda-feira (8), o prefeito de São Paulo Gilberto Kassab (PSD) afirmou que parte da feira seria reaberta em cinco dias.

Flavio Padovani/Leitor
Protesto de comerciantes contra o fechamento da Feira da Madrugada, em São Paulo, na avenida do Estado, nesta quinta-feira
Protesto de comerciantes contra o fechamento da Feira da Madrugada, em São Paulo, na avenida do Estado, nesta quinta-feira

OPERAÇÃO

A operação que começou na sexta-feira foi preparada durante dois meses e contou com dezenas de agentes que trabalharam disfarçados para coletar dados sobre o local. Foram identificados pelos agentes 2.897 pontos comerciais instalados em 4.111 boxes.

Na ocasião, o secretário municipal de Segurança Urbana, Edsom Ortega, estimou que metade dos pontos estavam em situação irregular.

Entre os problemas apontados pela prefeitura na Feira da Madrugada estão a venda de produtos de origem desconhecida, a venda de produtos falsificados e a presença de trabalhadores estrangeiros sem documentação.

Segundo Ortega, a feira ficará fechada com escolta policial para controlar a entrada dos comerciantes e todos os pontos serão fiscalizados. Enquanto isso, os ônibus que vêm a São Paulo para fazer compras no bairro serão desviados para o Anhembi (zona norte) e só poderão visitar as lojas do Brás que funcionam em horário comercial.

No fim de semana, um grupo de comerciantes do Pari protestou contra o fechamento da feira e chegou a fechar a avenida do Estado. Um desentendimento entre os manifestantes e guardas civis provocou confusão e correria.

Novas manifestações aconteceram na segunda-feira (8) e nesta quinta-feira. O protesto de hoje reuniu cerca de 250 manifestantes, segundo contagem da Polícia Militar.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Smart TV Smart TV Diversas ofertas a partir de R$ 856,11

Notebook Notebook Trabalhe, estude, jogue, a partir de R$ 769,00

Celulares | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página