Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
26/08/2011 - 13h14

PMs suspeitos de gravar feridos agonizando são interrogados

Publicidade

ANDRÉ CARAMANTE
DE SÃO PAULO

Os dez policiais militares envolvidos no episódio no qual dois homens feridos foram filmados agonizando estão detidos provisoriamente desde a noite desta quinta-feira (25) na sede da Corregedoria da Polícia Militar de São Paulo.

PM identifica envolvidos em filmagem de suspeitos agonizantes
Secretário pede investigação de vídeo que mostra PM e baleados

Todos os PMs estão sendo interrogados pelos responsáveis pela investigação do caso e, ao fim dessa primeira fase da apuração, a Corregedoria da PM decidirá quais dos envolvidos serão presos administrativamente, segundo o major Levi Anastácio Felix.

No vídeo, é possível ouvir: "Filho da puta, você não morreu ainda? Olha pra cá! Maldito. Não morreu ainda". A câmera mostra então uma cena forte: um homem pardo, caído, espumando pela boca, com a roupa ensopada de sangue.

Segundo a polícia o caso ocorreu no dia 9 de maio de 2008, no Parque São Rafael, zona leste de São Paulo.

Os homens teriam sido feridos por um guarda civil. Acionada, a PM enviou quatro carros e dez homens para o local.

O homem que aparece espumando pela boca no vídeo é Tiago Silva de Oliveira, e era suspeito de ter roubado R$ 525, dois celulares e um talão de cheques.

Segundo a PM, ele chegou a ser socorrido ao hospital de Sapopemba, mas morreu três dias depois.

O outro homem ferido que aparece no vídeo tem 16 anos e não teve seu nome divulgado. Segundo a PM, ele está vivo e foi ouvido sobre o caso ontem. À Corregedoria da PM o rapaz, hoje com 19 anos, disse que além de ter sido gravado enquanto estava no chão, alguns dos dez PMs que estiveram no local também pisaram em seu rosto.

Ainda segundo a versão desse rapaz, os PMs levaram aproximadamente 40 minutos para socorrer ele e o outro acusado de roubo para um hospital.

*

ATENÇÃO: o vídeo a seguir contém imagens agressivas

"Filho da puta, você não morreu ainda? Olha pra cá! Maldito. Não morreu ainda", diz uma das vozes, enquanto a imagem, em close, mostra a cena forte: um homem pardo, caído, espumando pela boca. Os olhos dele estão paralisados, em choque, com as pupilas dilatadas. A roupa está ensopada de sangue.

Ao fundo, é possível ouvir uma comunicação entre carros da polícia e os nomes Copom (Central de Operações da Polícia Militar) e Rota, grupo especial da PM paulista. Há um veículo Astra, de cor azul, com as portas abertas. Veja, abaixo, as imagens relatadas.

Vídeo

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Geladeiras Geladeiras Frost Free, Duplex, a partir de R$ 862,20

Notebook Notebook Trabalhe, estude, jogue, a partir de R$ 769,00

Celulares | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página