Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
16/04/2012 - 12h00

Tradicional droga para cólica de bebê some das farmácias

Publicidade

JULLIANE SILVEIRA
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

Vigilância Sanitária cancelou registro da Funchicórea, alegando que a eficácia do produto não é comprovada

Medicamento existe há 72 anos; na internet, mães se mobilizam para conseguir alguns frascos do fitoterápico

Famílias acostumadas a usar o Funchicórea, um dos mais populares remédios para bebês com cólica do país, estão se mobilizando para driblar o desaparecimento do produto das farmácias.

O motivo: o registro do Funchicórea, usada no Brasil há 72 anos, foi cancelado pela Anvisa (Agência Nacional da Vigilância Sanitária).

O processo para cancelamento do registro está em andamento desde 2005, mas o Laboratório Melpoejo, fabricante do produto, conseguiu manter a autorização de produção e venda por meio de liminares. A decisão final foi publicada em 6 de fevereiro no "Diário Oficial da União".

A Anvisa alega que o Melpoejo não apresentou comprovação de segurança e eficácia do produto para os fins relatados no rótulo (combate a prisão de ventre e cólicas de bebês durante os primeiros meses de vida).

Além disso, uma resolução da agência de 2004 determina que medicamentos fitoterápicos que contenham partes da planta (caso do Funchicórea) deveriam trocar sua matéria-prima por outros derivados -como o extrato da planta, por exemplo.

A fórmula do medicamento inclui folhas de chicória, raiz de ruibarbo e flores de funcho (erva-doce), além de sacarina, responsável por conferir o sabor doce ao remédio. Era comercializado na forma de pó para ser misturado na água ou no qual se mergulhava a chupeta.

Editoria de Arte/Folhapress

QUERIDO DAS VOVÓS

"Não existe trabalho científico que comprove a eficácia, mas as vovós amam o produto", diz Izaura Ramos Assumpção, gastroenterologista pediátrica do Hospital Infantil Sabará.

"Acredito que funcione por placebo: tranquiliza a família, que tem a sensação de estar fazendo algo para o bebê, e a substância doce acalma a criança e tira o foco de atenção da dor", acrescenta.

Nos principais grupos de discussão sobre maternidade na internet, pais compartilham informações sobre onde ainda é possível encontrar o produto e alternativas a ele.

"Consegui comprar em uma farmácia virtual de Brasília, que logo teve o estoque esgotado. Comprei quatro potes e dei um para a minha prima. O Funchicórea ajuda bem meus bebês, mas acredito que mais para acalmar do que para aliviar mesmo as cólicas", conta a publicitária Marina Whitaker, 31, mãe de gêmeos de três meses, de São Paulo.

Uma representante comercial do Melpoejo no Paraná criou um perfil no Facebook para estimular as mães a pressionarem a Anvisa.

Na página, há informações sobre o produto, sobre como escrever à agência solicitando a volta do registro e onde ainda é possível encontrar o remédio. "Nesses dois meses, mais de cem mães já me procuraram para obter o remédio", diz Teka Lopes, responsável pelo perfil.

A Folha também apurou que foram enviadas amostras a mães "desesperadas", mas a representante nega.

A cólica do primeiro trimestre de vida é causada pela imaturidade do sistema digestivo do bebê -movimentos bruscos do intestino podem causar dor. O organismo também tem dificuldade para digerir a lactose (açúcar do leite), e as moléculas que chegam inteiras ao intestino grosso favorecem o aparecimento de gases.

"Os pais precisam saber que as cólicas são uma manifestação normal e esperada e que não existe trabalho científico sobre nenhum remédio contra esse problema. É preciso ter paciência em primeiro, segundo e terceiro lugar, porque isso passa", diz Eliane Garcez, do Departamento Científico de Pediatria Ambulatorial da Sociedade Brasileira de Pediatria.

OUTRO LADO

Diretores do Laboratório Melpoejo dizem não concordar com a resolução de 2004 da Anvisa e que, por isso, entraram com as liminares para manter o produto à venda.

De acordo com a empresa, não existe nenhum relato de problema causado pelo uso do fitoterápico.

"Pedimos a pesquisadores da UFPB (Universidade Federal da Paraíba) que analisassem a troca da matéria-prima da planta para derivados. Os estudos mostraram que o extrato é ineficaz", diz Henrique Thielmann, diretor-executivo da empresa.

"Nossos pleitos, questionamentos e recursos na Anvisa, bem como os jurídicos, continuam. Mas achamos por bem suspender a fabricação e distribuição do Funchicórea desde setembro de 2011, até que possamos ter o registro renovado. As pesquisas prosseguem", diz.

Segundo o pesquisador Isac Almeida de Medeiros, farmacêutico e responsável pelos estudos com o Funchicórea na universidade, estão sendo feitos protocolos experimentais em animais. Ainda não há nenhum resultado preliminar.

Comentar esta reportagem

Termos e condições

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

TV LED TV LED Smart, HDMI, Full HD a partir de R$ 899,90

Geladeira Geladeira Side By Side, Duplex, Frost Free a partir de R$ 849,00

Home Theater | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página