Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
11/08/2010 - 10h27

Geriatra japonês dá receita de longevidade de sua terra natal

Publicidade

DE SÃO PAULO

Okinawa, no país com o maior número de centenários do planeta, é a "capital mundial da longevidade".

A província, um conjunto de ilhas no extremo sul japonês, tem a maior concentração de habitantes que passaram dos cem. Melhor que isso: 80% dos seus velhos têm vida autônoma, dispensam cuidados hospitalares.

Genética? Segundo o cardiologista e geriatra Makoto Suzuki, diretor do centro de pesquisas sobre longevidade de Okinawa, hereditariedade pode ajudar, mas não é o fator fundamental.

Como prova disso, o médico afirma: "Okinawanos que vieram para o Brasil e seus descendentes vivem, em média, 17 anos a menos do que os que estão lá".

Suzuki esteve aqui para a quinta edição do Fórum de Longevidade, organizado pela Bradesco Seguros neste mês, em São Paulo.

São quatro os pontos que, segundo ele, garantem a vida longa e saudável em Okinawa: bons hábitos alimentares, atividade física, autoajuda (cultivo da autonomia e da espiritualidade) e ajuda mútua (apoio social).

Para Suzuki, qualquer pessoa, em qualquer país, pode seguir a receita: "É possível mudar o estilo de vida. E funciona", diz, baseado nas provas vivas de sua terra natal.

+ Livraria

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página