Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
01/03/2011 - 08h36

Em Buenos Aires, tolerância a cigarro diminui agora

Publicidade

LUCAS FERRAZ
DE BUENOS AIRES

É muito comum, em Buenos Aires, você entrar em um táxi esfumaçado. Fuma-se muito, em quase toda parte.

Enquete: Você acha que o Brasil deveria proibir o fumo em locais públicos, como praças e parques?
Especialistas desaprovam veto ao fumo em praias e parques de SP
Fumar em Nova York? Só em casa e olhe lá
Sob protestos, Boston cria projeto de lei para imitar NY
Cidade da Califórnia foi a primeira do mundo a proibir fumo
Em Washington, sobraram terraços e pátios para fumar
Na China, tem cigarro até em hospital
Boemia perde o 'fumacê' na Espanha
Nova lei antifumo afeta restaurantes na Bulgária
Venezuela anula lei antifumo aprovada na última quinta-feira

No final do ano passado, a prefeitura da capital remendou uma lei de 2005, considerada muito tolerante, e apertou o cerco ao fumo. Agora, é proibido fumar em espaços públicos fechados como shoppings, bares, restaurantes e cafés.

Mas a lei é aplicada com flexibilidade. Estabelecimentos com "salones para fumadores", exigência da lei original, poderão mantê-los até o final deste ano.

Em alguns lugares, a lei é desprezada: na Casa Rosada, sede do governo, fuma-se livremente pelos corredores.

Em bares e restaurantes mais modernos, os fumantes precisam ir às ruas para acender o cigarro. Mas muitos desses locais têm mesas ao ar livre, onde é possível fumar sem restrições.

Donos de cafés reclamam. "Antes, as pessoas vinham para um café, que chama um cigarro, engatavam num papo e passavam a tarde. Esse público não vem mais", diz Luis Vilar, dono do Café San Martín, no centro.

Num país onde 31% da população fuma, mudança efetiva só deve ocorrer no início de 2012, quando está previsto o veto do fumo nos táxis.

+ Livraria

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página