Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
01/03/2011 - 08h37

Boemia perde o 'fumacê' na Espanha

Publicidade

LUISA BELCHIOR
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

Já não há mais sinal de fumaça em bares e restaurantes da Espanha --e olha que a fumaça era uma das marcas da noite espanhola.

Enquete: Você acha que o Brasil deveria proibir o fumo em locais públicos, como praças e parques?
Especialistas desaprovam veto ao fumo em praias e parques de SP
Fumar em Nova York? Só em casa e olhe lá
Sob protestos, Boston cria projeto de lei para imitar NY
Cidade da Califórnia foi a primeira do mundo a proibir fumo
Em Washington, sobraram terraços e pátios para fumar
Na China, tem cigarro até em hospital
Em Buenos Aires, tolerância a cigarro diminui agora
Nova lei antifumo afeta restaurantes na Bulgária
Venezuela anula lei antifumo aprovada na última quinta-feira

A lei antifumo entrou em vigor no dia 2 de janeiro, deixando um rastro de protestos. Proíbe o fumo em lugares públicos fechados, além de locais abertos como parques infantis e acesso a hospitais.

Não fumantes comemoram o fato de já não terem de voltar para casa "defumados" depois de uma noitada.

A estudante Paz Pérez del Puerto, 26, decidiu largar o cigarro por causa da mudança. "Como ficou tão difícil fumar, estou largando, e acho que muitas outras pessoas terão a mesma reação."

De fato, o governo, que não tem dado atenção aos protestos, espera que a medida reduza o número de fumantes no país.

Para se adequar à proibição, bares e restaurantes instalaram fumódromos nas portas, com mesas compridas e cinzeiros. Mas tem gente que aproveita para ir embora sem pagar ou que tem os pertences furtados quando vai ao fumódromo.

Alguns estabelecimentos começaram a cobrar adiantado pelas bebidas, o que, segundo a Federação Espanhola de Hotelaria, leva os clientes a consumir menos.

+ Livraria

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página