Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
14/09/2012 - 05h35

Rebelo defende alternância de poder nas confederações para liberar verba

Publicidade

FERNANDO RODRIGUES
DE BRASÍLIA

O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, declarou na quinta-feira que o programa de incentivo a atletas olímpicos exigirá contrapartidas das entidades que recebem dinheiro público. Confederações que não tenham alternância de poder nas direções devem ser vetadas.

Em entrevista à Folha e ao UOL, Rebelo não quis citar nominalmente alguma entidade, mas foi explícito a respeito daquelas que não têm o costume de alterar regularmente seus dirigentes:

"Eu defendo que haja limite no tempo de mandato e no número de mandatos. No Brasil, você tem limite para tudo. Até para o tempo que você pode ficar no Supremo Tribunal Federal, na Presidência da República".

http://www3.uol.com.br/module/playlist-videos/2012/trechos-da-entrevista-com-aldo-rebelo-1347570792902.js

Para o ministro, "o modelo democrático de sucessão nessas entidades faria muito bem para o esporte e as próprias entidades".

Ao fazer tal afirmação, Rebelo respondia o que deveria ser feito em casos como o da CBAt (Confederação Brasileira de Atletismo) e o da CBDA (Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos), que têm tradição de manter dirigentes por mais de 20 anos no cargo.

Como são entidades privadas, o governo não pode intervir nas suas administrações. Mas pode "condicionar determinadas vantagens para o acesso aos recursos públicos ao preenchimento de determinados requisitos", disse Rebelo.

Tudo deve ser feito por meio de regulamentação do Ministério do Esporte.

Zanone Fraissat - 17.ago.12/Folhapress
O ministro do Esporte, Aldo Rebelo
O ministro do Esporte, Aldo Rebelo
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página