Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu

Blatter se nega 3 vezes a falar sobre corrupção no Qatar

Mais opções
  • Enviar por e-mail
  • Copiar url curta
  • Imprimir
  • Comunicar erros
  • Maior | Menor
  • RSS
Publicidade

O presidente da Fifa, Joseph Blatter, recusou-se três vezes a comentar as denúncias de corrupção na escolha da sede da Copa do Mundo de 2022 durante a entrevista coletiva concedida nesta sexta-feira, em Zurique, após a reunião do comitê executivo da entidade.

Nas três perguntas sobre o assunto, o dirigente suíço deu, basicamente, a mesma resposta.

"O comitê de ética é um órgão independente da Fifa e está conduzindo a investigação. Tenho o direito de não fazer comentários até o fim da investigação".

O jornal inglês "Daily Telegraph" publicou nesta semana que investigações do FBI apontaram que Jack Warner, ex-vice da Fifa, recebeu US$ 1,2 milhão de Mohammed Bin Hammam, principal articulador da campanha do Qatar, em dezembro de 2010, duas semanas após a escolha do país para sediar o evento.

A denúncia esquentou a discussão sobre a existência de compra de votos no processo seletivo do Mundial vencido pelos árabes.

O presidente de comitê de ética, o norte-americano Michael Garcia, viajou para Zurique e interrogou os integrantes do comitê executivo sobre o caso. Foram eles o colégio eleitoral que deu a vitória ao Qatar.

Tanto Warner quanto Bin Hammam não fazem mais parte dos quadros da Fifa. Ambos foram suspensos e depois renunciaram a suas vagas na entidade devido a um outro escândalo de compra de votos, durante a eleição presidencial de 2011.

Bin Hammam foi acusado de ter oferecido, via Warner, US$ 40 mil (pouco mais de R$ 93 mil) a cada federação caribenha pelo apoio à sua candidatura contra Blatter.

EXPLORAÇÃO DE OPERÁRIOS

Ainda sobre o Qatar, a Fifa anunciou que Blatter deve viajar ao país em maio para averiguar as condições de trabalho dos operários envolvidos nas obras dos estádios do Mundial.

Mas, desde já, isentou-se de qualquer responsabilidade sobre uma possível exploração dos trabalhadores na região.

"Insistimos em dizer que a responsabilidade é total do Estado qatariano e das empresas que contratam os operários. Somos responsáveis por nossos funcionários. As grandes companhias têm de assumir suas responsabilidades, não podemos interferir, só dialogar", disse Blatter.

Segundo o jornal britânico "Guardian", as obras de infraestrutura do Mundial já haviam matado 382 pessoas até o fim do ano passado.

As mortes ligadas à Copa fizeram a Fifa receber na terça-feira uma delegação do sindicato dos trabalhadores de construção e carpintaria (BWI).

O órgão sindical disse à entidade que os operários da Copa, em maioria imigrantes da Índia e do Nepal, vivem em condições análogas à escravidão e têm a saúde constantemente posta em risco.

Mais opções
  • Enviar por e-mail
  • Copiar url curta
  • Imprimir
  • Comunicar erros
  • Maior | Menor
  • RSS

Livraria da Folha

Publicidade
Publicidade

Siga a folha

Publicidade

Livraria da Folha

Publicidade
Publicidade

Folha Shop

Smart TV Smart TV Diversas ofertas a partir de R$ 856,11

Notebook Notebook Trabalhe, estude, jogue, a partir de R$ 769,00

Celulares | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página