Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu

Comunidade pobre ao redor do Castelão assistiu à 'elite' desfilar

Mais opções
  • Enviar por e-mail
  • Copiar url curta
  • Imprimir
  • Comunicar erros
  • Maior | Menor
  • RSS

"Você viu o corredor?", pergunta Michele Sancho, 28 anos, professora universitária. "Me senti muito mal."

Michele se referia ao longo corredor por onde ela e a família, junto com outros milhares de torcedores, passaram para entrar no Castelão, em Fortaleza, para assistir ao Brasil jogar contra o México. Mais de uma centena de metros em linha reta, atravessando a comunidade pobre que se debruçava sobre a grade na tentativa de vender alguma coisa ou só "ver como as pessoas se vestem". Michele escreve uma dissertação de mestrado sobre o "Conceito Constitucional da Dignidade Coletiva". "Vi minha dissertação ir embora ao passar por aquele corredor."

A cena era impressionante - pelo menos para quem se impressiona. Uma passarela em que torcedores, a maioria brancos, desfila sua felicidade rumo ao estádio, enquanto os pobres, a maioria pretos e pardos, se debruçam para vê-los passar. Há quem se constranja, como Michele e a família, assumindo-se como "elite". "Uma situação como essa estimula a raiva e o ódio", diz Marcos Sancho, 62 anos, administrador de empresas. "Napoleão já dizia que, se não fosse a religião, os pobres tinham devorado os ricos."

Eliane Brum/Folhapress
Família Sancho, na entrada do Castelão, sentiu-se constrangida ao atravessar a passarela da "elite"
Família Sancho, na entrada do Castelão, sentiu-se constrangida ao atravessar a passarela da "elite"

Há os que recusam a classificação. "Não pode dizer que todo mundo aqui dentro é filhinho de papai. Tem gente que trabalha dentro do estádio, não fica esperando o governo", pontifica Victor Hugo Batista de Araújo, 33 anos, "dono de imobiliária, mas comecei como corretor". Ele faz questão de dizer que foi um dos que xingou Dilma no Itaquerão. "Gritei porque não gosto dela e tem de ser agressivo mesmo."

Poucas vezes o lado de dentro foi tão imageticamente dentro. Ao ouvir a opinião de Araújo, o advogado paulistano Marco Aurélio Purini aborda a repórter. "Eu penso totalmente diferente dele, quer ouvir? Vim para cá de táxi e o taxista, que mora aqui perto do estádio, disse que queria muito poder entrar. Eu entrei, ele não. Passei por esse corredor inteiro pensando que toda a população brasileira queria estar aqui, mas só eu e muito poucos conseguem entrar. O Castelão reflete o Brasil: uma arena moderna, de última geração, convivendo com uma das partes mais pobres de Fortaleza."

Eliane Brum/Folhapress
Marco Aurélio Purini, advogado paulistano, afirma que o Castelão é o retrato da desigualdade do Brasil
Marco Aurélio Purini, advogado paulistano, afirma que o Castelão é o retrato da desigualdade do Brasil

Do lado de fora, dessa vez explicitamente fora, Jurandir Fernandes da Silva, 45 anos, decorador de gesso, assiste ao desfile com os amigos. "A gente fica triste de mais uma vez ficar de fora, mas a vida toda foi assim, não podemos fazer nada. Só ver eles entrar e sair." E ele vê, com os amigos, como se estivesse diante de um programa de TV, conformado com o lugar de plateia. Alguns metros antes dele, Robson Tavares Galvão, 32 anos, motoboy desempregado, tenta vender latinhas de cerveja. "Não adianta protestar por ficar sempre do lado de fora. Isso é reserva de classe social."

O cozinheiro Antonio Erlir Paiva, 33 anos, levou três dos quatro filhos para assistir ao desfile dos torcedores. "Esses são meus filhos", apresenta, orgulhoso da lindeza de seus meninos. Maria Suiane, de sete, Antonio Alisson, de seis, e Maria Iasmin, de dez, botaram roupa bonita e até maquiagem Iasmin fez. "O Brasil ainda não está no ponto de ser todo mundo igual, mas a gente fica satisfeito só de olhar, ver como as pessoas se vestem", ele diz. "Tou esperando minha patroa passar. Ela sempre passa por aqui e ontem me ligou dizendo que conseguiu ingresso. Eu gosto de ver ela passar."

Eliane Brum/Folhapress
Antonio Erlir, cozinheiro, com os três filhos, esperava a patroa, que conseguiu ingresso para o jogo
Antonio Erlir, cozinheiro, com os três filhos, esperava a patroa, que conseguiu ingresso para o jogo
Mais opções
  • Enviar por e-mail
  • Copiar url curta
  • Imprimir
  • Comunicar erros
  • Maior | Menor
  • RSS

Livraria da Folha

Publicidade
Publicidade

Siga a folha

Publicidade

+ Livraria

Livraria da Folha

Jogo Roubado
Brett Forrest
De:
Por:
Comprar
Festa Brasil (DVD)
Vários
De:
Por:
Comprar
The Yellow Book
Toriba Editora
De:
Por:
Comprar
Futebol Objeto das Ciências Humanas
Flávio de Campos (Org.), Daniela A.
De:
Por:
Comprar
Seleção Brasileira
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Voltar ao topo da página