Grupo Planet Hemp é solto em Brasília

Tribunal de Justiça encontrou erros técnicos no flagrante

Agência Folha 13/11/97 20h20
De Brasília

Folha Imagem
Liberdade
Os seis integrantes da banda carioca Planet Hemp foram libertados nesta quinta-feira à tarde graças a uma decisão do Tribunal de Justiça do Distrito Federal, que encontrou erros técnicos no flagrante que os levou à prisão. O grupo deixou a cela onde estava na 3 Delegacia de Polícia, no Cruzeiro, cidade-satélite de Brasília, às 14h28. Dos seis, o mais emocionado era o guitarrista Eduardo da Silva Vitória, o Jackson, 20, o mais jovem do grupo.

''Não chora, mãe. Eu estou bem agora, a gente está indo embora'', disse ele ao telefone, falando com Sueli da Silva Vitória. Jackson ligou da delegacia para a casa dos pais, em Porto Alegre. ''Eu só quero tomar um bom banho'', repetia o vocalista Marcelo Maldonado Peixoto, o D2, 30.

A banda ainda precisou esperar em uma sala da delegacia pelos alvarás de soltura, que só chegaram duas horas depois de eles deixarem a cela. Os músicos entraram em um furgão dentro do pátio da delegacia, sem ter contato direto com os cerca de cem fãs que estavam do lado de fora gritando ''legaliza, legaliza''. Era uma alusão à defesa que o grupo faz da liberalização da maconha. ''Estou um pouco frustrada, mas eu compreendo o estado deles'', disse Carla Nunes, 17, que desde domingo, quando os músicos da Planet Hemp foram presos, passou as tardes tentando falar com eles.

Fãs tentaram parar o furgão, sem sucesso. Houve um princípio de confronto entre eles e policiais do Grupo de Operações Táticas da Polícia Militar. Ao seguir o furgão, alguns fãs empurraram um veículo do GOT. ''Eles vão quebrar a viatura'', gritou um policial, que empurrou os fãs. O soldado Arly Souza segurou o revólver dentro do coldre, mas não chegou a sacá-lo. O grupo deixou a delegacia ouvindo os gritos dos admiradores e pretendia viajar para o Rio às 22h15.

O habeas corpus que garantiu a libertação dos músicos foi impetrado no dia anterior pelos advogados Nabor Bulhões e DÁlembert Jaccoud, que alegaram ter havido irregularidade na prisão do grupo. O desembargador Otávio Augusto Barbosa aceitou a argumentação. Os autos de prisão afirmaram que a ''banda cantou várias músicas de seus CDs'', mas não citaram trechos nem nomes das músicas. Para o desembargador, isso não é suficiente para afirmar que a banda estava estimulando o uso de maconha.

O inquérito policial aberto para investigar a banda pode ser arquivado pela própria polícia ou enviado ao Ministério Público. Se ocorrer a segunda hipótese, os músicos podem ser denunciados à Justiça. ''O mais lógico e mais razoável seria arquivar o inquérito'', disse Nabor Bulhões.

O deputado Fernando Gabeira (PV-RJ) acha que a prisão da banda vai apressar a votação no Senado do projeto, já aprovado na Câmara dos Deputados, que descrimina o uso da maconha. ''O episódio vai possibilitar que haja uma nova política de drogas mais rapidamente.''

D2 disse que o grupo vai seguir defendendo a liberação da maconha e não vai alterar a linha das letras das músicas. ''A gente não vai amolecer.''. Mesmo assim, serão tomados alguns cuidados, afirmou Marcelo Lobato, 29, empresário da banda. ''Vamos consultar o doutor Nabor para achar uma forma de fazer shows sem correr o risco de ser presos de novo.''

O grupo deixou a prisão cansado, mas satisfeito com a publicidade que ganhou graças às grades. D2 disse que nos cinco anos de carreira a banda nunca apareceu tanto em meios de comunicação. ''Nem no lançamento dos discos foi assim.''

Leia também

Arquivo


 

   
Pesquise em outras páginas através do Radar UOL

Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo
desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso,
sem autorização escrita do Universo Online ou do detentor do copyright.