Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
03/05/2006 - 15h55

Felicidade pode ser medida, afirmam cientistas

da BBC Brasil

A felicidade não é apenas um conceito vago, mas algo tangível e resultante de atividade cerebral que pode ser vista e até medida, de acordo com neurologistas entrevistados para o programa A Fórmula da Felicidade, exibido pela BBC na Grã-Bretanha.

De acordo com Morten L. Kringelbach, especialista da Universidade de Oxford, a parte neurológica da felicidade e do bem-estar ainda está engatinhando.

Até agora, o foco da pesquisa têm sido dois "parentes distantes" da felicidade: o prazer e o desejo.

Em estudos realizados na década de 1950, os psicólogos James Olds e Peter Milner, da Universidade McGill, no Canadá, descobriram que ratos de laboratório puxavam alavancas repetidamente para receber pequenos choques elétricos por meio de eletrodos implantados em seus cérebros.

Quando esse estímulo era produzido em certas áreas do cérebro, os ratos puxavam a alavanca até 2 mil vezes por hora.

Na verdade, eles suspendiam quase todo o comportamento normal, inclusive a alimentação, o consumo de água e a prática do sexo.

Essas constatações sugerem que Olds e Milner descobriram os centros de prazer do cérebro, que se localizariam perto de regiões que são atingidas pelo mal de Parkinson.

A principal substância que auxilia a sinalização nervosa nessas regiões é a dopamina. Por isso, ela foi chamada de "substância do prazer" do cérebro.

Desejo x prazer

Estudos realizados por Robert Heath, da Universidade de Tulane, nos Estados Unidos, com seres humanos, durante a década de 1960, tentaram aproveitar essas descobertas em experiências que envolviam pacientes com problemas mentais e eram polêmicas do ponto de vista ético.

Os eletrodos também chegaram a ser utilizados em pessoas para tentar "curar" a homossexualidade, mas esse tipo de pesquisa acabou suspenso.

Embora os pesquisadores também tenham observado o uso compulsivo da alavanca em alguns pacientes, não está claro a partir dos relatos subjetivos desses pacientes que os eletrodos tenham realmente causado prazer.

Estudos recentes de Kent Berridge, da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, indicam que os eletrodos podem ter ativado as regiões anatômicas envolvidas no desejo, e não no prazer.

Ao investigar o sistema de recompensa em ratos, Berridge constatou que eles têm expressões faciais de prazer e desagrado em relação ao sabor de alimentos.

Alimentos adocicados fazem com que eles lambam os lábios, assim como bebês, comidas amargas os levam a curvar os lábios.

Quando Berridge manipulos os níveis de dopamina, constatou que suas expressões não apresentaram alteração.

Berridge propõe uma distinção entre desejo e prazer (querer e gostar) a partir das duas regiões do cérebro e das substâncias neuroquímicas que mediam esses dois estados subjetivos.

Emoções complexas

O sistema de dopamina parece codificar o desejo, enquanto o sistema opióide, que contém os nossos próprios compostos naturais semelhantes à morfina, é mais próximo ao prazer.

Mas está claro que o quadro é diferente entre ratos e seres humanos. O prazer e o desejo são emoções complexas nos seres humanos.

A região do cérebro chamada córtex orbitofrontal é central para as pesquisas atuais. Esta é uma região do cérebro que se desenvolveu mais recentemente em humanos e tem conexões tanto com os sistemas de dopamina como de opióides.

Com o exame de imagens do sistema neurológico, é possível constatar que o córtex orbitofrontal contém regiões que se relacionam com relatos subjetivos de prazer.

Um estado de contentamento e indiferença, uma espécie de prazer sem desejo, talvez seja equivalente a algum tipo de contemplação que os budistas buscam através da meditação.

Se essa é a melhor descrição de felicidade, é possível que os neurologistas possam, um dia, encontrar formas de ajudar a induzir esse estado.

Seria possível então ter uma sociedade em que a felicidade geral poderia ser realmente maximizada, assim como queria, no século 18, o filósofo Jeremy Bentham. Mas a questão se essa sociedade seria desejável e prazerosa ainda não foi respondida.
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página