Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
11/12/2007 - 12h36

Simon diz que Garibaldi representa "continuísmo" e o "PMDB de Renan, Jader e Sarney"

Publicidade

GABRIELA GUERREIRO
da Folha Online, em Brasília

Depois de ser derrotado pelo senador Garibaldi Alves (PMDB-RN) na disputa pela indicação do PMDB à presidência do Senado, o senador Pedro Simon (PMDB-RS) não escondeu nesta terça-feira a irritação com a escolha do colega. O peemedebista garantiu, no entanto, que não pretende lançar sua candidatura avulsa no plenário da Casa --embora considere Garibaldi como o "continuísmo" do senador Renan Calheiros (PMDB-AL) na presidência da Casa.

"Esse não é o meu PMDB. Esse é o PMDB do [José] Sarney, do Renan, do Jader [Barbalho]. E para a surpresa de todos, também é o PMDB do presidente Lula. O nome já estava escolhido, só faltava votar. Não fui escolhido porque não tive o apoio do governo", afirmou.

Simon garantiu que, apesar de ter o apoio de um grupo suprapartidário de senadores, vai respeitar a escolha do PMDB pró-Garibaldi. "Eu sou um franciscano, não vou disputar", disse.

O peemedebista afirmou, apenas, que pretende subir à tribuna do Senado para pedir explicações ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre as resistências ao seu nome. "Eu vou pedir da tribuna para que o Lula venha ao Senado explicar porque eu não sou confiável."

Garibaldi, por sua vez, disse que confia na palavra de Simon de não lançar sua candidatura avulsa à presidência da Casa. "Eu agradeço ao senador Simon pelo fato não apenas de ter disputado, mas pelo fato de que tratou de declarar que não irá ao plenário para a disputa."

O líder do PMDB no Senado, Valdir Raupp (RO), também disse acreditar no compromisso de Simon de não lançar candidatura própria à presidência da Casa. "O Pedro Simon é um homem de partido, eu o respeito. É um homem de palavra. Se falou que não é candidato sem o apoio da bancada, vai manter o que disse", afirmou Raupp.

Como o PMDB reúne a maior bancada do Senado, com 20 parlamentares, tem a prerrogativa de indicar o novo presidente da Casa. A oposição, porém, não descarta lançar candidato próprio na disputa se não concordar com a indicação de Garibaldi. DEM e PSDB devem definir ainda nesta terça-feira sobre o apoio, ou não, ao nome do peemedebista.

Comentários dos leitores
Gentil Geraldo Favato (3) 01/02/2010 22h24
Gentil Geraldo Favato (3) 01/02/2010 22h24
Nada que este presidente chefe de gangue diga deve ser levado a sério. Ele zomba de todos. Até da saúde do Zé e da Dilma ele fez piada. O presidente chefe de gangue ri de tudo que é serio. Chora quando dá entrevista. Faz piada dos nossos piores problemas e os marionetes do momento aplaudem-no enquanto sua gangue assalta o Brasil e nós nos acovardamos. Lula faz piada aqui e tem medo do Chaves. Nos EUA ele é o cara. Aqui o cara é o Chaves pra esse governo de assaltantes. sem opinião
avalie fechar
Marcelo Moreto (248) 01/02/2010 18h25
Marcelo Moreto (248) 01/02/2010 18h25
Espero que nessa disputa ocorra troca de tiros! Seria o máximo! 6 opiniões
avalie fechar
Eduardo Giorgini (496) 12/01/2010 16h05
Eduardo Giorgini (496) 12/01/2010 16h05
"Depois das eleições municipais, PT e PMDB deflagram disputa por comando do Congresso"
PT e o Lula querem mais e mais!
Gostaram de ser patrão e pelo jeito, não irão sair mais da mamata.
[]s
Eduardo.
3 opiniões
avalie fechar
Comente esta reportagem Veja todos os comentários (138)
Termos e condições
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página