Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
20/12/2007 - 20h28

PMDB diz que Lobão tem apoio do partido para ser indicado para Minas e Energia

Publicidade

GABRIELA GUERREIRO
da Folha Online, em Brasília

O líder do PMDB no Senado, Valdir Raupp (RO), garantiu nesta quinta-feira que o novo ministro de Minas e Energia será indicado pela bancada do partido na Casa. Raupp disse que o senador Edison Lobão (PMDB-MA) tem o apoio dos peemedebistas para ser indicado ao cargo, mas ressaltou que caberá ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva escolher o novo ministro.

"A informação que eu tenho é que a vaga continua sendo do PMDB. O nome quem escolherá é o presidente. Claro que a bancada pode oferecer nomes. Se ele [Lobão] for o nome escolhido, creio que não haverá rejeição", afirmou.

O líder disse não acreditar que Lobão encontre resistências do partido para ocupar o ministério por ter se filiado ao PMDB somente em setembro deste ano. Lobão deixou o DEM e ingressou no PMDB sob a ameaça de perder o mandato após a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) sobre a fidelidade partidária --mas não mudou de idéia mesmo com a pressão contrária da oposição.

"Eu acho que esse tipo de discriminação não existe dentro da bancada", disse o líder. Raupp afirmou que nenhum senador peemedebista pediu para ser indicado ao ministério, embora nos bastidores Lobão trabalhe pelo seu nome. "O que está acertado é que a vaga é do PMDB no Senado, pode ser ocupada por um senador ou não", afirmou o líder peemedebista.

Em café da manhã com jornalistas esta manhã, o presidente Lula desconversou ao ser questionado sobre a possível indicação de Lobão para o Ministério de Minas e Energia em substituição ao secretário-executivo da pasta --que ocupa interinamente o cargo desde a saída de Silas Rondeau.

Lula teria firmado o compromisso com senadores peemedebistas, nesta quarta-feira, de indicar o novo ministro em janeiro de 2008 --que continuaria na cota da bancada do PMDB no Senado. "Eu me surpreendo de onde vêm essas notícias. Tem coisas que eu não disse para ninguém. É por isso que disse que eu aprendi o peso das palavras", afirmou o presidente.

Comentários dos leitores
Eduardo Giorgini (488) 27/01/2010 11h27
Eduardo Giorgini (488) 27/01/2010 11h27
Fim da estabilidade de servidores públicos seria uma saída respeitosa ao gargalo de crescimentoe diminuição de gastos.
Herança do Brasil colonial, serviço público fica refem de sindicatos que defendem, obviamente, somente aumentos de salarios e regalias e estão nem ai para a sociedade privada, que os sustentam.
Mas se pensar, precisamos de uma reforma generalizada, ou seja, um "Nascer de novo" que o torna totalmente inviavel.
Complicado a situação do Brasil.
[]s
Eduardo.
sem opinião
avalie fechar
Pedro Carvalho (2) 28/09/2009 13h40
Pedro Carvalho (2) 28/09/2009 13h40
É errado fazer essa divisão de quem merece mais ou quem merece menos, pois, a princípio, todos os partidos são iguais. No entanto, nós sabemos disso, que, se o DEM ou o PSDB estivesse no poder, ele também iriam fazer a mesma coisa. Isso sempre existirá nessa política pobre que é a brasileira. 1 opinião
avalie fechar
Hilton Leonel (6) 08/09/2009 18h15
Hilton Leonel (6) 08/09/2009 18h15
VIVA O PMDB: ESTÁ SEMPRE PRONTO PARA PREJUDICAR O POVO. QUE SAUDADE DE ULISSES
GUIMARÃES. O povo Brasileiro não aguenta mais.
sem opinião
avalie fechar
Comente esta reportagem Veja todos os comentários (6950)
Termos e condições
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página