Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
21/04/2008 - 19h32

Secretaria de Direitos Humanos reconhece alto índice de violência contra homossexuais

Publicidade

da Agência Brasil

O assessor especial da SEDH (Secretaria Especial de Direitos Humanos), Ivair Alves Santos, disse nesta segunda-feira que, apesar dos índices "consideráveis" de violência contra os homossexuais, o tratamento a esta parcela da população evoluiu no Brasil graças a políticas públicas.

Santos comentou os dados revelados hoje pelo antropólogo e presidente do Grupo Gay da Bahia, Luiz Mott. De acordo com Mott, a cada três dias um homossexual é assassinado no Brasil. Em 2007, 122 gays morreram dessa forma, o que faz do país o campeão mundial de assassinatos de homossexuais.

O assessor evitou confirmar os números apresentados pelo antropólogo alegando que "os dados sobre o assunto ainda são muito frágeis". No entanto, reconheceu que a violência contra e gays e travestis no Brasil está em níveis altos e representam um problema social.

"Nos últimos anos, porém, o país tem gradualmente mudado esse quadro", diz ele. Santos ressaltou a existência de centros de atendimentos às vítimas de homofobia, onde os gays e travestis recebem atendimento psicológico e jurídico. Atualmente, segundo o assessor, existem 50 postos em todo o país.

Outra iniciativa é a integração das políticas públicas para homossexuais, com a ajuda dos estados e dos municípios. De acordo com Santos, isso será feito com a 1ª Conferência Nacional GLBT, que ocorrerá em junho em Brasília.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página