Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
19/02/2003 - 10h58

Saiba mais sobre o caso Pinheiro Landim

da Folha Online

O deputado federal Pinheiro Landim (CE), acusado de negociar habeas corpus para traficantes e de participação em esquemas de tráfico. A Polícia Federal tem gravadas 400 horas de escuta telefônica sobre o caso.

Leonardo Dias Mendonça, acusado de liderar uma quadrilha de cocaína, foi um dos "grampeados" pela PF em conversas com Landim.

Em 22 dezembro de 2002, a Folha revelou trechos desses contatos telefônicos. Em um dos diálogos, Landim diz ter recebido R$ 337 mil para obter habeas corpus no TRF (Tribunal Regional Federal), em Brasília, para tirar Mendonça da prisão.

A investigação sobre o caso corre desde o ano passado. Em 26 dezembro, o STF (Supremo Tribunal Federal) autorizou quebra de sigilos bancário e fiscal de funcionários e pessoas próximas ao deputado citadas em relatório da PF. Entre eles, dois desembargadores federais e o ministro Vicente Leal de Araújo do STJ (Superior Tribunal de Justiça).

O relatório da denominada Operação Diamante, iniciada em 1999, aponta ligações de Mendonça com a guerrilha das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), para fornecimento ao eixo Rio-São Paulo. Uma parte da droga seria exportada via bases do grupo instaladas na Guiana e no Suriname.

Foram presas 24 pessoas, em oito Estados e no Distrito Federal, por suposta participação na quadrilha de Mendonça.
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página