Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
19/03/2004 - 21h07

Entenda o caso do assassinato do padre Josimo

Publicidade

da Agência Folha

Padre Josimo Moraes Tavares morreu no dia 10 de maio, aos 33 anos, atingido por dois tiros nas costas, quando chegava ao escritório da CPT (Comissão Pastoral da Terra), em Imperatriz (MA).

Três semanas antes, ele havia escapado de um outro atentado.

Além de Osmar Teodoro da Silva, que aguarda julgamento de um recurso na Penitenciária Agrícola de Pedrinhas, em São Luís, outras quatro pessoas foram condenadas pela morte do religioso.

O pistoleiro Geraldo Rodrigues da Costa foi preso logo depois do assassinato e acusou a família Teodoro da Silva de ter sido mandante do crime. Costa cumpriu pena e, segundo os advogados de defesa dos irmãos Teodoro da Silva, já foi condenado por outro crime e está foragido.

Em 1997, Geraldo Vieira, Adailson Gomes Vieira, filho de Geraldo, e Guiomar Teodoro Filho foram condenados pela Justiça por participação na ordenação da morte. Geraldo Veira morreu no presídio em Imperatriz e os outros dois estão em regime de liberdade condicional.

Para o frei Xavier Plassat, da CPT no Tocantins, a morte de Josimo serviu como incentivo à organização dos agricultores da região do Bico do Papagaio.

"Após a morte de Josimo, foi disparada uma onda de organização entre agricultores. A região do Bico do Papagaio é reconhecida por isso", disse o frei.
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página