Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
22/08/2004 - 09h26

Erasmo Dias diz que é réu e quer ser indenizado

Publicidade

da Folha de S.Paulo

O ex-todo-poderoso secretário da Segurança Pública de São Paulo (entre março de 1974 e março de 1979), depois deputado federal, então deputado estadual, hoje vereador por São Paulo e candidato à reeleição, coronel Erasmo Dias, 80, quer receber indenização, como as que estão sendo pagas a perseguidos políticos da época do regime militar.

"Sou estigmatizado por ter defendido com unhas e dentes o Brasil contra o regime comunista putrefato. Quero receber reparação. Tenho mais direito a ela do que aqueles terroristas que fizeram guerrilha e agora posam de heróis, ditando as regras neste país", diz.

Erasmo Dias considera-se um réu eterno por ter comandado a invasão do prédio da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, em 1977. "Há duas semanas, enviaram-me uma coroa de flores em que se lia: "Feliz Morte, Erasmo Dias"."

"Minha filha, no final de 1977, prestou o vestibular de Direito na PUC. Passou. Quando foi fazer a matrícula, em 1978, identificaram-na e humilharam-na de uma forma intolerável para mim, como pai." A filha de Dias desistiu da PUC e foi para o Mackenzie.

Leia mais
  • Lei da Anistia completa 25 anos nesta semana
  • Lei foi o "meio-termo possível", diz ministro
  • Dirceu viveu com nome falso até ser anistiado
  • Gabeira revê 79 e ataca "sonho burguês" do PT

    Especial
  • Veja o que já foi publicado sobre a Lei de Anistia
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página