Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
24/11/2009 - 18h45

Ministro Juca Ferreira admite que cartilhas foram produzidas pelo governo e oposição reage

Publicidade

GABRIELA GUERREIRO
da Folha Online, em Brasília

O ministro Juca Ferreira (Cultura) admitiu nesta terça-feira que o governo federal foi responsável pela cartilha, distribuída no Congresso, com uma lista de projetos da pasta que tramitam no Legislativo. Depois de afirmar pela manhã que o governo não tinha investido "nenhum tostão" na produção da cartilha, o ministro enviou um comunicado ao Senado admitindo que o material foi produzido pelo ministério.

O senador Demóstenes Torres (DEM-GO) disse que vai encaminhar representação contra Ferreira à PGR (Procuradoria Geral da República) para que o ministro seja processado por improbidade administrativa.

"Ao invés do ministro zelar pela cultura, ele está fazendo propaganda antecipada dele e de um grupo de deputados que assinam a cartilha. Ele não pode vir ao Senado mentir, faltou com o respeito ao Senado", disse o senador.

A cartilha provocou um bate-boca entre senadores governistas e da oposição durante audiência com Ferreira realizada por três comissões do Senado nesta terça-feira. Como a cartilha recomenda à população que vote em parlamentares que apoiam os projetos listados no material, a oposição acusou o governo federal de propaganda eleitoral antecipada.

A cartilha, além de ter a logomarca do governo federal e do Ministério da Cultura, é assinada por mais de 50 deputados que integram a Frente Parlamentar de Apoio à Cultura.

Na audiência, Ferreira disse que o material tinha sido impresso pela frente parlamentar, mas depois retificou a informação em comunicado encaminhado ao presidente da CAE (Comissão de Assuntos Econômicos) do Senado, Garibaldi Alves (PMDB-RN).

Os deputados que assinam a cartilha são de partidos da base aliada governista e da oposição --incluindo o presidente do DEM, Rodrigo Maia (RJ). Demóstenes disse que todos os deputados devem ser investigados por usarem dinheiro público para produzir um material que induz a população a escolher parlamentares que supostamente apoiam projetos do ministério.
O líder do PT no Senado, Aloizio Mercadante (SP), criticou o uso de dinheiro público na edição da cartilha. Mas disse acreditar que Ferreira não tenha agido de má-fé ao negar a participação do governo federal na produção do material. "Quero me associar às afirmações de que esse panfleto é totalmente descabido. O ministro disse que não conhecia o material, consultou a sua assessoria e recebeu uma informação que não procedia. Não houve tentativa de enganar os senadores", disse Mercadante.

Vale Cultura

A oposição ameaça dificultar a votação do projeto que cria o "Vale Cultura" depois do episódio da edição das cartilhas culturais. "Eu não sei se é o momento maduro para se votar essa matéria. Temos que aproveitar esse exemplo para que o governo nunca mais repita isso, gastar dinheiro público em propaganda", disse o senador Arthur Virgílio (PSDB-AM).

Mercadante fez um apelo para que a oposição desvincule o episódio da cartilha da votação do "Vale Cultura". "Isso não pode representar impedimento para a tramitação dessa matéria", disse o petista.

A oposição acusa o governo de enviar o projeto do "Vale Cultura" para o Congresso para ser votado em regime de urgência com o objetivo de garantir que a população receba o benefício para assistir ao filme "Lula: filho do Brasil" em ano eleitoral.

Os governistas, por outro lado, afirmam que DEM e PSDB querem prejudicar a votação do benefício diante da alta popularidade do governo federal.

Se for aprovado, o Vale Cultura será um benefício de R$ 50 para os trabalhadores de baixa renda a ser utilizado em eventos culturais, como teatro e cinema --nos moldes dos vale-refeição.

Comentários dos leitores
petra fan (32) 02/02/2010 21h26
petra fan (32) 02/02/2010 21h26
o sindicato que está no poder passou 20 anos jurando que queria governar para mudar "tudo isso que está aí".
hoje, tem uma escumalha a compor sua base de governo, institutos de pesquisa amigos que lhe conseguem amostras sortudas, e uma tropa de tonton macoutes a demonstrar sua verve "democrática" na internet.
é impressionante.
sem opinião
avalie fechar
Claudio Rocha (434) 02/02/2010 20h00
Claudio Rocha (434) 02/02/2010 20h00
Quando governo é atuante os desastres provocados pela natureza são diminuidas. O que ocorre em SP com as enchentes é igual ao que ocorreu no governo Bush em New Orleans, USA, com o KATRINA. onde o governo, todos sabiam a quem defendia e a quem representava. O que permitiu que um fenomeno da natureza devastasse a cidade, mostrando o sofrimento e a miseria que os poderosos tanto se empenham em esconder....São Paulo uma cidade triste, população se sente abandonada por aqueles no qual confiou seu voto.... Esse deveria ser o lema do PSDB: Brasil um Pais para poucos 5 opiniões
avalie fechar
Você sabia que no Paraguai (que não tem nenhum poço de petróleo) a gasolina custa R$ 1,45 o litro e sem adição de álcool . Na Argentina, Chile e Uruguai que juntos (somados os 3) produzem menos de 1/5 da produção brasileira, o preço da gasolina gira em torno de R$ 1,70 o litro e sem adição de álcool. Você sabia, que já desde o ano de 2007 e conforme anunciado aos "quatro ventos" pelo LULA e sua Ministra DILMA... o Brasil já é AUTO-SUFICIENTE em petróleo e possui a TERCEIRA maior reserva de petróleo do MUNDO.
Realmente, só tem uma explicação para pagarmos R$ 2,67 o litro: a GANÂNCIA do Governo com seus impostos e a busca desenfreada dos lucros exorbitantes da nossa querida e estimada estatal brasileira que refina o petróleo por ela mesma explorado nas "terras tupiniquins", então o "velho PT", lembram-se deles, quando oposição???Vão ao MP,contra o Serra devido as enchentes........e dá para entender???
8 opiniões
avalie fechar
Comente esta reportagem Veja todos os comentários (19708)
Termos e condições
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página