Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
29/07/2005 - 09h24

CPI vê indícios de que funcionária sacava para parlamentares

Publicidade

FERNANDO RODRIGUES
da Folha de S.Paulo

A CPI dos Correios encontrou ontem indícios de que era para deputados e seus assessores a maior parte do dinheiro sacado pela diretora financeira da SMPB, Simone Reis Vasconcelos, de uma conta da agência no Banco Rural, em Brasília.

As cópias de faxes e de e-mails encontrados no material remetido na terça feira pelo STF (Supremo Tribunal Federal) à CPI contém anotações manuscritas nos processos referentes aos R$ 5,595 milhões retirados em dinheiro por Simone nos anos de 2003 e 2004 da conta da SPMB Comunicação no Banco Rural.

Esses faxes e e-mails eram enviados de Belo Horizonte para Brasília. Eram alertas para que a agência do Banco Rural na capital federal se preparasse para os saques de quantias altas em dinheiro, reservando o numerário.

No verso de quatro desses faxes há as seguintes anotações escritas a mão:

1) saque de 17.dez.2003, de R$ 350 mil: "Jacinto Lamas 100; Roberto Pinho 100; Célio 100";

2) saque de 7.jan.2004, de R$ 450 mil: "Irmão de Jacinto Lamas 350; Alexandre 100";

3) saque de 13.jan.2004, de R$ 300 mil: "José Luis 50; Jacinto Lamas 200";

4) saque de 20.jan.2004, de R$ 400 mil: "João Cláudio 200; Jacinto Lamas 200".

Para o deputado ACM Neto (PFL-BA), essas anotações manuscritas indicam parcialmente para quem a diretora financeira da SMPB entregava o dinheiro. "Se a Simone vier com outra versão ao depor na CPI terá dificuldades para sustentá-la. Está claro que parte desse dinheiro sacado por ela ia para o esquema de deputados", afirma Neto.

O ex-tesoureiro do Banco José Francisco de Almeida Rego havia revelado em depoimento à PF que Simone deixava na agência uma lista de pessoas que poderiam retirar o dinheiro.

Dos nomes que aparecem manuscritos no verso nesses faxes, a CPI dos Correios acredita ter identificado três. Jacinto Lamas é o ex-tesoureiro nacional do PL, ligado ao presidente nacional da sigla, deputado Valdemar Costa Neto (SP).

Até o momento, a CPI havia apurado saques num total de R$ 1,65 milhão por Lamas da conta da SMPB no Banco Rural de Brasília. A serem confirmados os repasses realizados a ele por Simone, a quantia subiria para R$ 2,3 milhões --considerando-se que o dinheiro retirado pela pessoa identificada como "irmão de Jacinto Lamas" tenha sido repassado para o então tesoureiro do PL.

A segunda pessoa que a CPI acredita ter identificado é "João Cláudio". Seria João Cláudio Carvalho Genu, ex-chefe de gabinete do deputado José Janene (PP-PR). Janene é líder do partido na Câmara.

Até agora, havia registros confirmados de R$ 850 mil em saques realizados por Genu. Os novos dados, se confirmados, farão o valor saltar para R$ 1,25 milhão.

O terceiro identificado pela CPI é "Roberto Pinho". Seria Roberto da Costa Pinho, ex-assessor do ministro da Cultura, Gilberto Gil. Pinho já tinha sacado R$ 350 mil. Com o que teria recebido de Simone, o valor recebido por Pinho subiria para R$ 450 mil. Pinho também trabalhou em 2002 como coordenador de marketing da campanha ao Senado de Delcídio Amaral (PT-MS), presidente da CPI dos Correios.

"Alexandre", "José Luís" e "Célio" não foram identificados pela CPI. Existe um José Luís entre os sacadores, José Luís Alves, assessor do ex-ministro dos Transportes e hoje prefeito de Uberaba, Anderson Adauto.

A Polícia Federal tem os originais desses faxes. Na semana que vem, deve começar a apresentar a perícia que está sendo realizada nos documentos, todos apreendidos no Banco Rural, em Belo Horizonte. A idéia é fazer exames grafotécnicos para identificar o autor das anotações manuscritas.

Especial
  • Leia a cobertura completa sobre a CPI dos Correios
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página