Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
10/04/2007 - 17h28

Câmara dos Deputados decide não realizar votações nas segundas-feiras

Publicidade

GABRIELA GUERREIRO
ANDREZA MATAIS
da Folha Online, em Brasília

Os líderes partidários da Câmara decidiram hoje não trabalhar mais às segundas-feiras em Brasília. Em reunião com o presidente da Casa, Arlindo Chinaglia (PT-SP), os líderes avaliaram que as sessões às segundas-feiras não são produtivas e que é melhor suspender as votações na Casa nestes dias, quando os deputados poderão continuar nos seus Estados.

(Você aprova a decisão dos líderes partidários da Câmara dos Deputados de não realizar votações às segundas-feiras? Vote)

A discussão sobre a suspensão das votações às segundas-feiras ocorre aos mesmo tempo em que a Câmara se prepara para discutir o reajuste salarial dos parlamentares. Pela proposta em discussão, os salários vão passar de R$ 12.847 para R$ 16.250.

Tradicionalmente, a Câmara não realizava sessões às segundas-feiras, mas Chinaglia imprimiu um novo ritmo de trabalhos na Casa instituindo sessões deliberativas (com votações) de segunda a quinta-feira. Antes de Chinaglia, as votações ocorriam sempre às terças, quartas e quintas-feiras --o que voltará a acontecer.

Nos três dias da semana, quem não comparecer terá os salários cortados no final do mês caso não apresente justificativas para os casos previstos no regimento. Já as ausências nas segundas e sextas-feiras não implicarão cortes salariais --o que na prática permite aos deputados permanecerem em seus Estados.

"Todos os líderes têm sido pressionados por parlamentares que nos seus Estados têm demandas por audiências às segundas-feiras. Ao invés de uma sessão na segunda-feira à noite, teremos na terça-feira pela manhã", afirmou o líder do PT na Câmara, deputado Luiz Sérgio (RJ).

A decisão teve o aval de parlamentares do governo e da oposição. "As sessões às segundas-feiras estavam ineficientes do ponto de vista da produtividade. A decisão foi unânime", afirmou o líder do PSOL na Câmara, deputado Chico Alencar (RJ).

Apesar da decisão, os líderes insistiram que o fim das sessões às segundas-feiras não implica paralisia na Casa --uma vez que os parlamentares querem compensar as sessões suspensas nas terças-feiras pela manhã.

"Esse é um dilema que precisa ser resolvido. A sociedade tem que participar do debate. A compensação na terça de manhã é importante", disse o vice-líder do governo na Câmara, deputado Beto Albuquerque (RS).

Leia mais
  • Lula cede e autoriza base a aumentar repasse para prefeituras em R$ 1,3 bi
  • Governo Lula registra 3ª melhor avaliação desde 2003, diz CNT/Sensus
  • Renan descarta discutir reajuste salarial de parlamentares no Senado
  • Livro "Políticos do Brasil" mostra evolução do patrimônio dos deputados
  • Livro de Leôncio Martins Rodrigues analisa perfil da Câmara

    Especial
  • Leia cobertura completa sobre o segundo mandato de Lula
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página