Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
20/04/2007 - 20h31

PF diz que máfia pagava mensalão a juízes e denuncia vazamento da operação

Publicidade

MARCELO GUTIERRES
da Folha Online

A Polícia Federal desarticulou nesta sexta-feira em São Paulo uma organização criminosa especializada na compra e venda de sentenças judiciais para beneficiar casas de bingo e empresas interessadas em conseguir créditos tributários.

De acordo com as investigações da PF, essa quadrilha pagava uma mensalidade de R$ 20 mil a R$ 30 mil para desembargadores, juízes, um procurador da Fazenda Nacional e uma funcionária da Receita Federal. O esquema contaria ainda com a participação de policiais civis.

Questionado se esse pagamento poderia ser caracterizado como "mensalão", o superintendente da Polícia Federal em São Paulo, Geraldo José de Araújo, afirmou que era mais um "bingão da Justiça".

Além da mensalidade, segundo ele, a organização criminosa pagaria para os magistrados R$ 150 mil por sentença favorável. A mensalidade de R$ 20 mil a R$ 30 mil seria uma espécie de taxa de manutenção do sistema criminoso.

Essas sentenças beneficiariam casas de bingo e empresas interessadas em conseguir créditos tributários na Receita Federal. Os bingos também se beneficiariam desses créditos tributários.

Araújo disse que as investigações da Operação Têmis não têm relação direta com a Hurricane --deflagrada na sexta passada--, embora as duas investiguem ações criminosas envolvendo casas de bingo.

Vazamento

Araújo disse que houve vazamento de informações sobre a operação desencadeada hoje em São Paulo. "Há um mês houve vazamento de informações", disse o superintendente da Polícia Federal em São Paulo, Geraldo José de Araújo.

Segundo ele, o vazamento dessas informações atrapalhou as investigações e dificultou a coleta de provas. "Isso atrapalhou muito. Algumas provas desapareceram."

Para a PF, as informações vazaram por meio de uma empresa de telefonia --cujo nome não foi divulgado--, que repassaram os dados para policiais envolvidos com a quadrilha.

Segundo o superintendente, há um grupo de lobistas que atuava em nome de empresários e casas de bingo junto ao Judiciário. Os policiais acusados dariam proteção para as empresas, além de ajudar a buscar informações para os lobistas. A funcionária da Receita ficaria responsável pela facilitação dos créditos tributários.

Apreensões

A PF apreendeu nesta sexta-feira cerca de 40 quilos de documentos nos gabinetes de desembargadores, de juízes e de um procurador da Fazenda Nacional.

Na Procuradoria da Fazenda Nacional a PF apreendeu 35 quilos de documentos, além do HD (disco rígido) de um computador no gabinete de um procurador. No gabinete do desembargador Roberto Haddad a PF apreendeu dois quilos de documentos, um notebook e um HD de computador. A PF também apreendeu documentos e o HD do computador da juíza Maria Cristina Cukierkorn, da 23ª Vara Federal.

Segundo a PF, todo o material apreendido vai ser conferido em São Paulo e depois enviado para a Superintendência de Brasília.

Também foram realizadas buscas nos gabinetes dos desembargadores Alda Bastos e Nery da Costa Júnior e do juiz Djalma Moreira Gomes, da 25ª Vara. A operação também envolve policiais civis.

Ao todo, a PF cumpre 70 mandados de busca e apreensão nos escritórios e casas de magistrados, advogados e empresários acusados de integrarem uma suposta quadrilha especializada na venda de sentenças judiciais para beneficiar a máfia de jogos e outros esquemas ilegais.

A PF informou ainda que chegou a pedir a prisão de cerca de 40 pessoas acusados de envolvimento com a suposta organização criminosa. Mas o STJ (Superior Tribunal de Justiça) negou o pedido de prisão temporária. O relator do caso é o ministro Felix Fisher. O caso foi para o STJ porque envolve desembargadores.

Leia mais
  • PF apreende 40 kg de documentos em ação contra máfia de jogos
  • Polícia diz que bicheiros são os donos dos bingos do Rio
  • Após operação da PF, Justiça veta funcionamento de bingos em SP
  • STF bloqueia bens de 50 envolvidos com máfia de jogos e apura vazamento
  • Veja vídeo da PF da apreensão do dinheiro em megaoperação

    Especial
  • Veja fotos da apreensão feita pela PF na Operação Hurricane
  • Leia mais sobre a Operação Hurricane
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página