Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
11/05/2007 - 11h29

Saiba mais sobre religiões: cientologia

Publicidade

Texto publicado originalmente em 15 de setembro de 2001

RICARDO FELTRIN
Editor-chefe da Folha Online

Uma religião sem orações ou rituais, a cientologia ficou conhecida por despertar polêmica e por atrair famosos astros de Hollywood. Tom Cruise e John Travolta são só duas das estrelas que frequentam essa religião, idealizada pelo norte-americano Ron Hubbard na década de 50, cujo "boom" aconteceu nos anos 90.

O que a cientologia propõe é levar o indivíduo a um estado de consciência chamado "clear" (limpo). Essa limpeza é a eliminação do que chamam de mente reativa --que por sua vez é, grosso modo, um lugar que todos nós temos no cérebro, onde estão registrados os traumas e as fobias, todas as "tristezas", todas as imagens e sensações de dor ou sofrimento.

Para eliminar a mente reativa [e de forma rápida, segundo a religião] há uma tríade de atitudes indispensáveis para o cientólogo:

1) fazer leituras e estudos profundos das obras sobre a dianética (de Ron Hubbard);
2) práticas diárias de técnicas e exercícios descritos nos livros;
3) participar de "misteriosas" sessões onde um aparelho criado por Hubbard, chamado e-meter, é seguro com as duas mãos pelo praticante, enquanto ele responde a um questionário.

O e-meter registra ondas cerebrais específicas. Para mexer com essas ondas, o mestre cientólogo faz uma sessão de perguntas muito delicadas ao discípulo da igreja.

É como se o questionário do mestre mexesse exatamente nas "feridas psíquicas" de alguém que se submete a isso voluntariamente. Lembranças, sensações e imagens ruins e traumáticas estariam armazenadas em algum lugar na mente. O aparelho abriria uma porta e começaria a "faxina mental".

A provável dor de mexer nesses pontos da vida poderia ter a força de limpar a mente, segundo a cientologia. Com o tempo, essas 'porcarias' deixariam de existir e o cientólogo passa a ter, principalmente, mais energia e espaço mental para usar. Ou seja, mais poder.

Essa é a idéia de Hubbard, que morreu em 1986. Seu mais conhecido livro é "Dianética" (Bridge, 187 pgs.).

No mundo e no Brasil

Há anos há pessoas em vários países da Europa e nos EUA que combatem a cientologia, tanto na esfera política como na judicial. Sem sucesso.

Embora seja chamada de religião, as técnicas dela assemelham-se mais a uma terapia. Mesmo assim, países como Alemanha chegaram a tentar proibir sua difusão, seu crescimento.

As armas governamentais --muitos de seus inimigos alegam que a igreja faz lavagem cerebral-- são geralmente grandes devassas do Fisco sobre as propriedades da cientologia e de seus discípulos.

Países democráticos, no entanto, têm sido seguidamente derrotados nos seus próprios tribunais. Mas a cientologia continua absolutamente proibida em países do Oriente Médio e, mais ainda, na China.

Além de ser alvo de combate político, a cientologia também é motivo de chacota na TV, e já foi tema de desenhos sarcásticos como o politicamente incorreto "South Park".

Todos os cursos ministrados dentro da igreja são pagos, e podem custar de R$ 400 a milhares de reais. As sessões de 'audição' com o e-meter também são pagas. Também há cursos dedicados ao tratamento de dependentes químicos.

O tratamento hoje já existe no Brasil e é ministrado pela Narconon. Trata-se de uma propriedade localizada em Minas Gerais, que inclui reclusão de dependentes e um tratamento rigoroso (e caro). O programa alega ter mais de 70% de não-reincidência dos dependentes.

Leia mais
  • Papa canoniza frei Galvão em missa no Campo de Marte
  • Papa canoniza frei Galvão; saiba mais sobre o frade nascido no interior de SP
  • Leia o texto do papa na missa de canonização de frei Galvão
  • Saiba o trajeto que o papa Bento 16 fará nesta sexta-feira
  • Livros contam história de frei Galvão, Nossa Senhora e outros santos

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre cientologia
  • Leia cobertura completa da visita do papa ao Brasil
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página