Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
12/09/2006 - 20h26

Uso de antiinflamatório aumenta riscos cardíacos em 40%

Publicidade

da Folha Online

Um levantamento de dezenas de estudos demonstrou que o diclofenaco --princípio ativo dos tradicionais remédios Voltaren e Cataflam-- pode aumentar em 40% os riscos de ataque cardíaco e morte súbita. O diclofenaco também é vendido como genérico no Brasil.

Reprodução
Voltaren tem como princípio ativo o diclofenaco, que aumenta os riscos de um ataque cardíaco
Voltaren tem como princípio ativo o diclofenaco, que aumenta os riscos de um ataque cardíaco
A informação alarmante foi divulgada nesta terça-feira pela edição on-line da revista "Nature". Os riscos cardiovasculares da droga são tão graves quanto os apresentados pelo antiinflamatório Vioxx, retirado do mercado há cerca de dois anos.

A revisão sobre as pesquisas anteriores, publicada no "Journal of the American Medical Association", analisou 23 estudos que envolveram 1,6 milhão de pacientes.

O diclofenaco é uma das substâncias mais receitadas do mundo.

Especialistas entrevistados pela "Nature" informaram que um medicamento equivalente ao diclofenaco que não eleva riscos cardíacos seria o naproxeno.

Em nota, a Novartis, fabricante do Voltaren e Cataflam afirmou que o tipo de estudo realizado "não é aceito pelos órgãos reguladores como evidência clínica para suporte de registro de produto". A nota afirma ainda que outros estudos científicos não indicam qualquer aumento de risco cardiovascular relacionado ao uso do diclofenaco.

A Novartis afirma ainda que o estudo não levou em consideração dados favoráveis ao remédio e que considera o resultado do estudo questionável. A empresa não pretende retirar os medicamentos de circulação.

Leia mais
  • Novartis diz que estudo sobre risco cardíaco do Cataflam é inconclusivo
  • Justiça declara Merck culpada em caso com Vioxx mais uma vez

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre antinflamatórios
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página