Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
14/03/2007 - 10h22

Baixinhos eram os preferidos das mulheres pré-históricas, diz estudo

Publicidade

da Ansa, em Londres

Os homens de baixa estatura eram irresistíveis para as mulheres na pré-história, pelo menos até que descobriram as armas. Essa diferença em relação aos cânones atuais de beleza é a tese central de um estudo da universidade norte-americana de Utah, que apareceu nesta quarta-feira na versão eletrônica do jornal "The Times".

Divulgação
<i>Austrolopithecus africanus</i>, que viveu na época em que baixinhos seriam os preferidos
Austrolopithecus africanus, que viveu na época em que baixinhos seriam os preferidos
Entre os Australopithecus, os hominídeos antepassados que viveram cerca de 4 milhões de anos atrás, a baixa estatura permitia combater melhor e garantia aos varões um enorme atrativo entre as mulheres.

"As pernas curtas asseguravam aos Australopithecus o êxito em combate", explicou o professor David Carrier em um artigo publicado na revista "Evolution", citado pelo Times on-line.

"Os Australopithecus mantiveram as pernas curtas durante dois milhões de anos porque um físico compacto e mais estável ajudava os varões a combater pelas mulheres", revela o professor em sua pesquisa, e explica que os homens mais baixos eram os mais agressivos.

Segundo Carrier, esse antepassado do homem media 1,35 m. Com a introdução das primeiras armas, 2 milhões de anos atrás, o homem da caverna passou a utilizar objetos para se defender, e as normas estéticas mudaram.

Leia mais
  • Milho geneticamente modificado faz mal às cobaias, diz estudo
  • Estresse destrói neurônios, diz pesquisa
  • Cientista apaga memória de roedor traumatizado
  • Aquecimento vai reduzir mata atlântica
  • Cientistas afirmam que obesos sentem apetite apenas com estímulo visual
  • Galinha hermafrodita põe seu primeiro ovo na China

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre pré-história
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página