Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
20/02/2002 - 07h11

Mutação simples pode gerar nova espécie

SALVADOR NOGUEIRA
da Folha de S.Paulo

Cientistas da Universidade da Califórnia em San Diego (EUA) mostraram que a evolução das espécies pode muito bem seguir o mote da teoria do caos: eventos discretos, grandes efeitos. Mudanças mínimas em um certo gene de um organismo podem levar a outro bicho, cuja estrutura corporal é totalmente diferente.

O estudo derruba o principal argumento dos defensores do criacionismo, que pregam que todas as espécies foram projetadas individualmente por uma instituição divina, como diz a Bíblia. Eles se opõem à teoria da evolução pela seleção natural, do britânico Charles Darwin (1809-1882).

Embora os biólogos tomem por verdade as idéias darwinistas, o criacionismo se mantém, graças ao conservadorismo e à dificuldade de demonstrar em laboratório as idéias sugeridas pela teoria da evolução. O estudo, liderado por William McGinnis, desfere golpe fatal no argumento criacionista.

O segredo está em um gene chamado Ubx. Ele faz parte do grupo de genes do tipo Hox, já famosos por serem os responsáveis pela determinação de onde e que tipo de membro deve ser formado em cada parte do corpo. "Isso vale para crustáceos, insetos e humanos", disse à Folha Matthew Ronshaugen, autor principal do estudo, que saiu no começo do mês na revista científica britânica "Nature" (www.nature.com).

O que McGinnis e seus colegas demonstraram foi que mudanças relativamente simples (e que, por consequência, poderiam ter surgido aleatoriamente via mutações) no tal gene Ubx podem dar origem a um projeto original e funcional de membros para uma nova espécie. Trocando em miúdos, o conjunto de patas de camarão vira o conjunto de patas da formiga. "A questão é mais a quantidade de pernas do que o seu tipo", explica Ronshaugen.

Os pesquisadores pegaram a versão do Ubx de um crustáceo (Artemia franciscana) e o inseriram em uma mosca. Observaram então que as pequenas diferenças que separam a versão do crustáceo da equivalente no inseto induziam a formação de pernas em outras regiões do corpo.

Mutações pequenas e capazes de empurrar a evolução para a barreira entre espécies eram tudo o que os criacionistas não queriam. Sua argumentação se baseia no princípio de que a natureza aleatória da evolução não poderia oferecer mutações simples e ao mesmo tempo eficientes.

Aviso aos estudantes

Em 1999, o Estado americano de Oklahoma obrigou os livros de biologia usados pela rede estadual de ensino a conterem o seguinte aviso: "A palavra evolução pode se referir a muitos tipos de mudança. Evolução descreve mudanças que ocorrem dentro de uma espécie (mariposas brancas, por exemplo, podem evoluir em mariposas cinzas). Esse processo é a microevolução, que pode ser observada e descrita como fato. Evolução também pode se referir à mudança de uma coisa viva em outra, como em répteis e pássaros. Esse processo, a macroevolução, nunca foi observado e deveria ser considerado uma teoria."

Foi o efeito da última onda do criacionismo nos EUA, ocorrida há cerca de três anos. "De cinco a dez Estados americanos atualmente adotam políticas semelhantes", diz Ronshaugen.

"Isso não prova definitivamente que a evolução foi assim, mas mostra que poderia ter sido deste modo. O argumento criacionista contra a macroevolução ficou muito menos válido agora."

O próximo passo do estudo é analisar o DNA de outros seres. "Queremos verificar se essa mudança é algo geral, e não apenas uma estranha ocorrência."
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página