Colunas

Destaques GLS

29/08/2007

Evite o vexame do banheirão gay

SÉRGIO RIPARDO
Editor de Ilustrada da Folha Online

O banheiro público virou um campo minado para os rapazes. Um gesto involuntário, um olhar enviesado ou a simples demora em urinar, tudo corre o risco de ser interpretado como uma abordagem sexual. Tradicional point de paquera e de fantasia, o mictório pode até derrubar um senador de 62 anos, pai de três filhos, nos EUA. Do partido do presidente George W. Bush, Larry Craig foi acusado de "fazer o banheirão" em um aeroporto. Teve de convocar a imprensa para negar a homossexualidade, ao lado da sua mulher. É o escândalo do momento por lá.

AP
Preso em aeroporto, senador Larry Craig provoca escândalo com caso do banheirão
Preso em aeroporto, senador Larry Craig provoca escândalo com caso do banheirão
Sérgio Ripardo/Folha Online
Pichação em banheiro de cinema na avenida São João, em São Paulo; veja mais imagens
Pichação em banheiro de cinema na avenida São João, em São Paulo; veja mais imagens

Em São Paulo, alguns shoppings, academias, parques, hipermercados, terminais rodoviários e de metrô entram no mapa do banheirão. Os administradores desses lugares tentam inibir a paquera. No Shopping Frei Caneca, foram colocadas placas lembrando o risco de detenção de três meses a um ano para a "prática de ato obsceno". No Shopping Light, uma medida foi cobrar taxa na entrada dos banheiros. Há lugares que erguem "muralhas da China" entre os mictórios ou orientam seguranças para rondas constantes.

Fotomontagem/Hallan Moulin

Confira algumas dicas para evitar o vexame de ser pego com a boca na botija.

1- Evite "estacionar" no mictório. Passar muito tempo segurando o dito-cujo é o primeiro sinal de outras intenções no banheiro --principalmente se ao seu lado estiver um bofe-escândalo!!!

2- Não desperdice água com sucessivas descargas fingindo uma crônica incontinência urinária. Nem demore séculos lavando as mãos, olhando pelo espelho quem está no mictório. Os rios da cidade agradecem.

3- Para evitar riscos no banheiro do seu trabalho, prefira ocupar o reservado. Mas não ponha seu pé nem a cabeça por debaixo da divisória. Nada de passar o espelhinho por baixo para conferir as necas ao lado.

4- Mire só a parede em frente ao mictório, com o olhar de um peixe morto e os lábios cerrados. Evite respiração ofegante. Junte bem as pernas, como uma bailarina. Evite tirar tudo para fora da braguilha. No final, não faça barulho ao balançar sua genitália.

5- Evite visitar os banheiros de todos os andares do shopping em menos de 30 minutos. Sua mania de querer demarcar território, como um gato, pode ser flagrada por câmeras e ser confundida como roteiro de pegação.

6- Nada de se distrair riscando mensagens nas portas dos reservados, descrevendo suas preferências sexuais ou indicando número do celular, e-mail e MSN. Não faça buracos nas portas com canivetes.

7- Nunca suba em cima do vaso para espiar sobre a divisória. Há o perigo de o assento quebrar e você sujar aquele seu tênis caríssimo Adidas ou Puma e a barra de seu jeans Diesel ou Dolce & Gabbana.

8- No reservado, evite se ajoelhar entre o vaso sanitário e a divisória. O espaço costuma ser pequeno, e você corre o risco de ficar entalado, sendo obrigado a gritar por ajuda ou quebrar uma das costelas para sair.

9- Nunca, mas nunca mesmo, use o reservado dos deficientes físicos. É um lugar espaçoso, as barras são ótimas, mas você está usurpando um direito alheio. Também não fique na porta do banheiro escolhendo vítimas.

10- Mona, banheiro não é camarim. Evite levar sua completíssima nécessaire francesa para espremer calo, molhar o cabelo, retocar o topete, trocar o perfume, o desodorante ou passar o fio dental. Fuja da guerra.

Sérgio Ripardo fala sobre o caso do banheirão nos EUA

Fábio Motta/Divulgação
Marcelo Cia é diretor de conteúdo do grupo MixBrasil
Marcelo Cia é diretor de conteúdo do Mix Brasil, que lança revista
Márcio Neves/Divulgação
Modelo Lucas Pitioni é capa da revista "Junior", do Mix Brasil, voltada para homens gays
Modelo Lucas Pitioni é capa da revista "Junior", do Mix Brasil, voltada para homens gays

Mídia gay

Sem ensaios de nudez frontal, a revista "Junior" tem lançamento previsto para o próximo dia 10 de setembro, ao preço de R$ 12 e uma tiragem de 30 mil exemplares. A publicação, do grupo Mix Brasil, é voltada para jovens gays. São 120 páginas, com periodicidade trimestral neste ano. "Mas deve virar bi em 2008", informa Marcelo Cia, diretor do Mix. Questionado se a "Junior" será concorrente da "G Magazine", que completa dez anos e traz na capa o goleiro catarinense Rafael Córdova (veja), o diretor do Mix respondeu: "Não".

Sérgio Ripardo fala sobre travestis e o filme "Princesa"

Acompanhe as notícias em seu celular: digite wap.folha.com.br

FolhaShop

Digite produto
ou marca