Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
15/06/2005 - 11h12

Negociadores tentam pôr fim à rebelião em Rondônia

Publicidade

da Folha Online

Cerca de 300 presos mantêm três agentes penitenciários como reféns na penitenciária Agenor de Carvalho, no município de Ji-Paraná (368 km de Porto Velho, RO), desde terça-feira (14).

Segundo a Seapen (Secretaria de Assuntos Penitenciários), a rebelião começou com a fuga de um grupo de aproximadamente 20 presos. Alguns foram recapturados, mas o número ainda não foi confirmado.

Os presos que não conseguiram escapar pegaram as armas dos agentes e conseguiram destruir o muro que dividia dois pavilhões --o fechado do semi-aberto. Com isso, tiveram a possibilidade de escalar os muros e passaram a jogar pedras na PM.

Foram cortadas a luz e a água da penitenciária. Na manhã desta quarta, os rebelados mostraram os reféns, que, aparentemente, não apresentam ferimentos.

De acordo com o diretor executivo da Seapen, Juarez Barreto Macedo Jr., os rebelados ainda não apresentaram uma pauta de reivindicações. Porém, exigiram a presença de um juiz e de representantes do Ministério Público, do Conselho de Direitos Humanos da OAB e da Pastoral para as negociações. Um representante da secretaria também participa das conversas.

Com capacidade para 160 presos, a unidade abrigava 301 antes da fuga.

Com Agência Folha

Leia mais
  • Impasse marca negociação com presos rebelados em Juiz de Fora
  • Presos rebelados matam cinco rivais no interior de São Paulo
  • PF descobre plano de resgate de Beira-Mar

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre rebeliões de presos
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página