Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
28/06/2005 - 01h14

Marinha identifica tripulantes mortos em queda de helicóptero no Rio

Publicidade

da Folha Online

A Marinha do Brasil identificou os dois tripulantes que morreram carbonizados após a queda do helicóptero Bell Jet Ranger 3 (prefixo MB-5040), por volta das 19h desta segunda-feira, sobre o auditório do Centro Universitário Metodista Bennett, localizado na rua Marquês de Abrantes, uma das principais vias do bairro do Flamengo (zona sul do Rio).

Bruno Domingos/Reuters
Destroços de helicóptero que caiu sobre prédio de faculdade
Destroços de helicóptero que caiu sobre prédio de faculdade
O acidente causou a morte do capitão-tenente Adriano Emerim Pinna e do capitão-tenente André Estácio de Freitas. Não houve outras vítimas.

Ainda segundo a Marinha, a aeronave havia decolado às 17h57 da Base Aérea Naval de São Pedro D'Aldeia com destino à Base Aérea de Santa Cruz, no Rio. Tratava-se de um vôo de treinamento de adestramento visual noturno.

As causas do acidente serão apuradas por um inquérito da Polícia Militar já instaurado. A Comissão de Investigação de Acidente Aeronáutico da Marinha já deu início às investigações técnicas.

Pânico

Segundo o diretor-geral da instituição, Anísio Pereira, testemunhas da queda afirmam que o helicóptero já pegava fogo quando atingiu o prédio. Houve pânico, mas os cerca de 1.200 alunos que estudam na faculdade neste período conseguiram descer pelas escadas e ninguém se feriu.

Pereira afirma suspeitar que o piloto tenha escolhido pousar em um local onde os alunos não estariam. O prédio atingido tem apenas dois andares.

Todo o complexo, que inclui um colégio, está interditado. Quatro filhos do presidente do PMDB no Rio de Janeiro, Anthony Garotinho, e da governadora Rosinha Matheus (PMDB), que têm entre 4 e 12 anos, estudam no colégio no período matutino.

Disparos

A proximidade da faculdade e da favela do morro Azul fez com que surgissem especulações de que o helicóptero fora atingido por disparos de armas de fogo, antes de cair.

"Em absoluto. Nada disso procede. Isso é mera especulação. O que a gente tem de fato é que a PM foi acionada para trabalhar na queda de uma aeronave", afirmou o tenente-coronel da PM Ricardo Quemento.

À tarde, um helicóptero que auxiliava os policiais durante uma operação realizada na Rocinha (zona sul do Rio) foi atingido por dois tiros. Ninguém ficou ferido.

Leia mais
  • Professor diz que sentiu "prédio tremer" após queda de helicóptero

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre quedas de helicópteros
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página