Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
23/09/2005 - 09h25

Serra põe rampa antimendigo na Paulista

Publicidade

AFRA BALAZINA
da Folha de S.Paulo

A gestão do prefeito José Serra (PSDB-SP) começou nesta semana a instalar rampas de concreto "antimorador de rua" em uma das extremidades da avenida Paulista, na passagem subterrânea que leva à Doutor Arnaldo. O piso será chapiscado, tornando-o mais áspero e incômodo para quem tentar dormir no local.

F.Donasci/Folha Imagem
Obra para a instalação de rampas de superfície áspera
Obra para a instalação de rampas de superfície áspera
Uma das rampas que teve a construção iniciada, no lado direito de quem segue para a Doutor Arnaldo, tem cerca de 14 metros de extensão até agora, mas deve ficar ainda maior para ocupar todo o espaço antes do ponto em que a calçada se afunila.

A prefeitura espera terminar a obra nesse lado hoje e, então, começará a construção no lado oposto da passagem.

Segundo os moradores de rua da região, um grupo de 30 pessoas vive na passagem subterrânea. Eles têm quartos improvisados com madeira, cobertores e vassouras e fogões feitos com pedra.

A Folha encontrou dez pessoas na área, entre as quais quatro crianças e um bebê de dez meses. Agora, o grupo fica somente do lado esquerdo de quem vai para a Doutor Arnaldo, onde ainda não foi iniciada a obra.

O argumento da prefeitura para a construção da rampa é tentar diminuir as queixas de assaltos na região e o número de pessoas cheirando cola.

"Tivemos muitas reclamações sobre assaltos no local quando o trânsito fica lento e recebemos informações de que havia um ponto de drogas ali. Por isso, estamos fechando as pontas do viaduto", afirmou o subprefeito da Sé, Andrea Matarazzo. Ele disse ainda que é dever do poder público proteger e garantir a segurança da população da cidade.

Críticas

"Como você se sentiria se fosse expulso da sua casa? É assim que me sinto hoje. Mas, se não houver outro jeito, vou procurar outro lugar para ficar", disse o morador de rua Rogério da Silva, 32, que está ali há um ano e dois meses.

A construção da rampa é considerada pelo padre Júlio Lancellotti, da Pastoral do Povo da Rua, como mais uma ação "higienista" do prefeito José Serra. "Essa política está ocorrendo na cidade, principalmente em áreas nobres e centrais, para que não haja a convivência com as pessoas da rua e dar a falsa impressão de que o problema não existe", afirma.

Outras ações do governo municipal criticadas por entidades foram a expulsão de moradores instalados embaixo do viaduto na rua João Moura, em abril, e a expulsão da cooperativa de catadores de Pinheiros.

"Os moradores de rua têm direito de ir e vir, mas não podemos permitir esses pontos de assalto. Isso nada tem a ver com higienismo. Não podemos confundir bandidos com moradores de rua", afirmou Matarazzo ao ser questionado sobre a concentração de sem-teto na passagem.

Segundo Matarazzo, há uma situação parecida na Amaral Gurgel, onde também vivem moradores de rua. Entretanto, diz, lá não existem problemas de assalto.

O presidente da Associação Paulista Viva, Nélson Baeta Neves, defende a ação da prefeitura. "O cartão-postal da cidade tem de ser preservado. Sabemos das dificuldades sociais, mas não dá para ter gente morando na Paulista. A cidade precisa de ordem." Ele acredita que, quando um cidadão mora na rua, ocupa um espaço público e prejudica o restante da comunidade.

Colaborou Daniela Tófolo, da Reportagem Local

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre moradores de rua
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página