Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
22/10/2005 - 10h10

Brasileiros relutam em proibir a venda de armas, diz "Le Monde"

Publicidade

da Folha Online

Reportagem do diário francês "Le Monde" afirma que a população irá votar sobre a comercialização de armas de fogo e munição no país "sufocada pela violência urbana" e que duvida dos benefícios de uma eventual proibição de vendas de armas.

Ainda segundo o "Le Monde", a discussão sobre o referendo se sobrepôs à crise política suscitada pelos escândalos de corrupção que envolvem o partido do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A reportagem lembra que o Brasil, "sem guerra nem guerrilha", está em primeiro lugar no ranking da ONU (Organização das Nações Unidas) entre os países que registram mortes por armas de fogo.

"Isso sem contar os 20 mil feridos e as 50 mil pessoas condenadas a se locomover de cadeira de rodas. 17 milhões de armas de fogo circulam pelo Brasil afora, sendo que metade delas não está legalmente registrada", afirma o diário.

O jornal aponta pesquisas que indicam que a maioria dos eleitores tem declarado voto no "não" depois de alguns meses em que os levantamentos indicavam a vitória pelo sim. "Neste meio tempo, a campanha do referendo gratuita passou a ser veiculada nas rádios e na televisão, com os seus slogans redutores que vão sendo martelados, instalando a confusão nas mentes", diz o "Le Monde".

Leia mais
  • Sem acordo sobre punição, TSE desencoraja boca-de-urna em referendo
  • TRE termina de instalar urnas eletrônicas em seções paulistas

    Especial
  • TSE estima que resultado do referendo saia até as 20h
  • Leia o que já foi publicado sobre o referendo
  • Leia a cobertura completa sobre o referendo sobre a venda de armas e munição
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página