Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
19/03/2006 - 11h50

À noite, Ibirapuera vira motel a céu aberto

Publicidade

LUÍSA BRITO
da Folha de S.Paulo

Parque Ibirapuera, quinta-feira, 21h30: casais se encontram entre as árvores, em locais mal iluminados. Às 5h do dia seguinte, o parque abre com os "vestígios": chão coberto por camisinhas usadas e embalagens de preservativos.

Ao anoitecer, a área verde mais visitada pelos paulistanos vira um tipo de motel a céu aberto. "Tem dia que dá para encher um saco só de camisinha e o lugar não fica limpo", diz um funcionário.

Os encontros ocorrem geralmente perto do portão 7 (avenida República do Líbano), ao lado da Casa da Leitura e atrás da caixa-d'água, perto do estacionamento do MAM (Museu de Arte Moderna). As pessoas aproveitam a falta de iluminação e o abrigo dos troncos e transam em pleno parque.

Na noite da última quinta-feira, dois casais de homens, de camisa, com as calças abaixadas, faziam sexo nas proximidades do portão 7. Outros homens, em grupo ou sozinhos, permaneciam parados, perto das árvores, à espera de uma paquera, de um parceiro. "Quando você vê um cara que é 'teu número', é só chamar ou assobiar", diz o fotógrafo Artur, 21.

O parque, segundo os freqüentadores, é ideal para encontros fortuitos. "É tudo muito olho no olho, não tem fala", diz o maquiador Pedro (nome fictício), 23. "Foi atrás de uma árvore, ficamos em pé para não sujar a roupa", conta, sobre sua primeira vez lá.

"Aqui é mais 'pegação', sexo sem compromisso. É um reduto onde você conhece pessoas dispostas a transar", diz o segurança Henrique (nome fictício), 23. Segundo ele, o local também é procurado por dar privacidade a gays não assumidos. "Eles dizem à família que estão correndo no Ibirapuera e vêm para cá", afirma.

Segundo os freqüentadores, as mulheres vão com os namorados, e às vezes o casal busca uma terceira pessoa para a relação.

No site de relacionamentos Orkut, na comunidade do parque Ibirapuera, há relatos de casais heterossexuais que dizem já ter transado dentro do parque.

Já quem pratica atividade física vê a atitude como desrespeito. "É bastante constrangedor, deveria ser proibido", diz o árbitro de futebol Rodrigo Carvalho, 30.

O Ibirapuera tem 1,5 milhão de m2 e recebe 20 mil pessoas durante a semana. Aos domingos, o público é de 130 mil. O parque funciona das 5h à meia-noite.

Quem circula pela área se queixa. "Fica uma sujeira, cheio de camisinha, é uma falta de respeito com quem anda e com a própria natureza", reclama a enfermeira Maria Eliete Chagas, 50.

No Orkut, as relações sexuais no parque e a presença de camisinhas é tema de debate acalorado. A maioria das pessoas defende que a polícia evite o sexo no Ibirapuera. Outros escrevem mensagens ofensivas ao público gay.

"Outro dia fazia abdominais e me deparei com várias camisinhas espalhadas pelo chão. Aquilo enoja. O pior é que todos sabem o que rola ali, mas ninguém faz nada", comenta um homem.

Os encontros, segundo os freqüentadores, também são motivados pelo risco de transar em local público. "É diferente fazer sexo aqui. O medo da polícia dá mais tesão", conta o modelo Márcio (nome fictício), 25.

Segundo o advogado e conselheiro da OAB Sergei Cobra Arbex, fazer sexo em local público configura ato obsceno, crime previsto no artigo 233 do Código Penal. A pena é de detenção de três meses a um ano ou multa.

A Secretaria do Verde e do Meio Ambiente da Prefeitura de São Paulo disse conhecer o fato e pediu intensificação do policiamento. A Guarda Civil Metropolitana diz fazer patrulhamento diário. Segundo a nota, não houve registro dessa ocorrência neste ano.

Leia mais
  • Grupo faz arrastão em prédio de Moema e troca tiros com a PM
  • Justiça apura visita de preso em Presidente Bernardes
  • Investigação mostra envolvimento de militares com traficantes

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre o parque do Ibirapuera
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Smart TV Smart TV Diversas ofertas a partir de R$ 856,11

    Notebook Notebook Trabalhe, estude, jogue, a partir de R$ 769,00

    Celulares | Tênis | Mais...

    Voltar ao topo da página